Arquivo para agosto, 2010

Echo & The Bunnymen – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 30/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

Echo & The Bunnymen é uma banda inglesa de pós-punk formada em Liverpool, em 1978. Entre suas influências destacam-se The Beatles, The Velvet Underground e The Doors. Bandas influenciadas incluem The Jesus and Mary Chain, The Mission e Interpol.

História

As origens da banda remontam ao final dos anos 70, quando Ian McCulloch, Pete Wylie e Julian Cope formam os The Crucial Three. Em 1977, Wylie e Cope deixam o grupo para criar os Teardrop Explodes e os Whah!, respectivamente.

Em 1978, McCulloch, juntamente com Will Sergeant, criam o duo Echo, utilizando uma caixa de ritmos em substituição da bateria. No mesmo ano, o baixista Les Pattinson junta-se à banda, e realizam o seu primeiro concerto ao vivo no clube Eric, em Liverpool, com o nome Echo & The Bunnymen.

No ano seguinte, em 1979, a banda lança o primeiro single, Pictures on My Wall, e o sucesso deste dá-lhes um contrato com a editora Korova. O baterista Pete de Freitas entra para o grupo.

Em 1980, gravam o primeiro álbum de originais, Crocodiles que, juntamente aos dois trabalhos seguintes, Heaven Up Here e Porcupine, lhes trás reconhocimento. Porcupine chega ao #2 das tabelas do Reino Unido.

O álbum de 1984, com o single Killing Moon, entra, mais uma vez, para o Top Ten das tabelas, atingindo a quarta posição, no Reino Unido, e entrando para o Top 100, nos EUA.

Três anos depois, os Echo & The Bunnymen lançam novo álbum que atinge a posição #51 nos EUA, o melhor lugar até à data, e o quarto lugar no país natal. No entanto, o álbum não apresenta nenhuma evolução nos trabalhos da banda, e McCulloch abandona o grupo para trabalhar a solo. Em 1989 edita Candleland, e no ano seguinte Mysterio. Neste período, Noel Burke substitui McCulloch nos vocais, e lançam Reverberation.

Em 1994, McCulloch forma os Electrafixion com Will Sergeant. Mais tarde, em 1997, é a vez de Pattinson se juntar, e de novo reúnem os Echo & The Bunnymen.

Integrantes
Formação Original

Ian McCulloch – vocal
Will Sergeant – guitarra
Les Pattinson – baixo
Pete de Freitas – bateria

Outros Integrantes

Mark Fox – bateria
Noel Burke – vocal (em Reverberation)
Damon Reece – bateria
Jake Brockman – guitarra e sintetizador

Texto: Wikipedia

DISCOS

The Peel Session (1979)

1. Read It In Books
2. Stars Are Stars
3. Bagsy Yours
4. Villers Terrace

Crocodiles (1980)

1. Going Up
2. Stars Are Stars
3. Pride
4. Monkeys
5. Crocodiles
6. Rescue
7. Villiers Terrace
8. Pictures On My Wall
9. All That Jazz
10. Happy Death Men

Bonus Track
11. Do It Clean
12. Read It In Books
13. Simple Stuff
14. Villiers Terrace [Early Version]
15. Pride [Early Version]
16. Simple Stuff [Early Version]
17. Crocodiles [Live At The Pavillion Gardens Buxton, 17/01/1981]
18. Zimbo [Live At The Pavillion Gardens Buxton, 17/01/1981]
19. All That Jazz [Live At The Pavillion Gardens Buxton, 17/01/1981]
20. Over The Wall [Live At The Pavillion Gardens Buxton, 17/01/1981]

Heaven Up Here (1981)

1. Show Of Strength
2. With A Hip
3. Over The Wall
4. It Was A Pleasure
5. A Promise
6. Heaven Up Here
7. The Disease
8. All My Colours
9. No Dark Things
10. Turquoise Days
11. All I Want

Porcupine (1983)

1. The Cutter
2. Back Of Love
3. My White Devil
4. Clay
5. Porcupine
6. Heads Will Roll
7. Ripeness
8. Higher Hell
9. Gods Will Be Gods
10. In Bluer Skies

Ocean Rain (1984)

1. Silver
2. Nocturnal Me
3. Crystal Days
4. The Yo-Yo Man
5. Thorn Of Crowns
6. The Killing Moon
7. Seven Seas
8. My Kingdom
9. Ocean Rain
10. Angels And Devils
11. All You Need Is Love [Life At Brian Session]
12. The Killing Moon [Life At Brian Session]
13. Stars Are Stars [Life At Brian Session]
14. Villiers Terrace [Life At Brian Session]
15. Silver [Life At Brian Session]
16. My Kingdom [Live – A Crystal Day – 12/05/1984]
17. Ocean Rain [Live – A Crystal Day – 12/05/1984]

Songs To Learn & Sing (1985)

1. Rescue
2. The Puppet
3. Do It Clean
4. A Promise
5. The Back Of Love
6. The Cutter
7. Never Stop
8. The Killing Moon
9. Silver
10. Seven Seas
11. Bring On The Dancing Horses

Echo & The Bunnymen (1987)

1. The Game
2. Over You
3. Bedbugs And Ballyhoo
4. All In Your Mind
5. Bombers Bay
6. Lips Like Sugar
7. Lost And Found
8. New Direction
9. Blue Blue Ocean
10. Satellite
11. All My Life

New Live And Rare (1988)

1. People Are Strange
2. The Killing Moon (All Night Version)
3. All You Need Is Love
4. Paint It Black (Live)
5. Run, Run, Run (Live)
6. Friction (Live)
7. Do It Clean (Live)

Pictures On My Wall (B-Sides) (1989)

1. Simple Stuff (B-Side Rescue)
2. Broke My Neck (B-Side A Promise)
3. Way Out And Up We Go (B-Side The Cutter)
4. Original Cutter (B-Side The Cutter)
5. Angels & Devils (B-Side Silver)
6. All You Need Is Love (B-Side Seven Seas)
7. Over Your Shoulder (B-Side Bring On The Dancing Horses)
8. Rollercoaster (B-Side Lips Like Sugar)
9. Paint It Black (B-Side People Are Strange)
10. Run, Run, Run (Live) (B-Side People Are Strange)
11. Friction (Live) (B-Side People Are Strange)
12. Killing Moon (Acoustic)
13. Rescue (Live) (B-Side Don’t Let It Get You Down)

Reverberation (1990)

1. Gone, Gone, Gone
2. Enlighten Me
3. Cut & Dried
4. King Of Your Castle
5. Devilment
6. Thick Skinned World
7. Freaks Dwell
8. Senseless
9. Flaming Red
10. False Goodbyes

BBC Radio 1 Live In Concert (1991)

1. Rescue
2. Heaven Up Here
3. With A Hip
4. Bombers Bay
5. All I Want
6. Back Of Love
7. Crocodiles
8. Zimbo
9. Seven Seas
10. Bedbugs And Ballyhoo
11. The Cutter
12. Show Of Strength
13. Lips Like Sugar
14. Thorn Of Crowns

Evergreen (1997)

1. Don’t Let It Get You Down
2. In My Time
3. I Want To Be There (When You Come)
4. Evergreen
5. I’ll Fly Tonight
6. Nothing Lasts Forever
7. Baseball Bill
8. Altamont
9. Just A Touch Away
10. Empire State Halo
11. Too Young To Kneel
12. Forgiven

The Best Of Echo & The Bunnymen - Ballyhoo (1997)

1. Rescue
2. Do It Clean
3. Villiers Terrace
4. All That Jazz
5. Over The Wall
6. A Promise
7. The Disease
8. The Back Of Love
9. The Cutter
10. Never Stop
11. The Killing Moon
12. Silver
13. Seven Seas
14. Bring On The Dancing Horses
15. People Are Strange
16. The Game
17. Lips Like Sugar
18. Bedbugs & Ballyhoo

Nothing Last Forever (B'Sides) (1997)

1. Colour Me In
2. Antelope
3. Watchtower
4. Polly

What Are You Going To Do With Your Life (1999)

1. What Are You Going To Do With Your Life?
2. Rust
3. Get In The Car
4. Baby Rain
5. History Chimes
6. Lost On You
7. Morning Sun
8. When It All Blows Over
9. Fools Like Us

Flowers (2001)

1. King Of Kings
2. Supermellow Man
3. Hide And Seek
4. Make Me Shine
5. It’s Alright
6. Buried Alive
7. Flowers
8. Everybody Knows
9. Life Goes On
10. An Eternity Turns
11. Burn For Me

Crystal Days 1979-1999 (2001)

CD 1

1. Monkeys (Original Version)
2. The Pictures On My Wall (Original Single Version)
3. Read It In Books (Original Single Version)
4. Villiers Terrace (John Peel Session)
5. Rescue
6. Simple Stuff
7. Stars Are Stars
8. All That Jazz
9. Crocodiles
10. The Puppet
11. Do It Clean
12. Show Of Strength
13. Over The Wall
14. A Promise
15. Heaven Up Here
16. All My Colours
17. Broke My Neck (Long Version)
18. No Hands (John Peel Session)
19. Fuel
20. The Subject

CD 1

CD 2

1. The Back Of Love
2. The Cutter
3. Way Out And Up We Go
4. Clay
5. Heads Will Roll
6. Gods Will Be Gods (Alternate Version)
7. Never Stop (Discotheque)
8. Watch Out Below (John Peel Session)
9. The Killing Moon (All Night Version)
10. Silver (Tidal Wave)
11. Angels And Devils
12. Crystal Days
13. Seven Seas
14. My Kingdom
15. Ocean Rain
16. All You Need Is Love

CD 2

CD 3

1. Bring On The Dancing Horses
2. Over Your Shoulder
3. Lover I Love You
4. Satisfaction
5. New Direction (Original Version)
6. Ship Of Fools
7. All My Life
8. The Game
9. Bedbugs And Ballyhoo
10. Lips Like Sugar (Single Version)
11. People Are Strange
12. Rollercoaster
13. Don’t Let It Get You Down
14. I Want To Be There (When You Come)
15. Nothing Lasts Forever
16. Hurracaine
17. Rust
18. What Are You Going To Do With Your Life?

CD 3

CD 4

1. In The Midnight Hour
2. Start Again (Live, 1987)
3. The Original Cutter / A Drop In The Ocean
4. Heads Will Roll (Summer Version)
5. Bedbugs And Ballyhoo (Original Single Version)
6. Zimbo (With The Royal Burundi Drummers – Live, 1985)
7. Angels And Devils (Live, 1985)
8. She Cracked (Live, 1985)
9. It’s All Over Now, Baby Blue (Live, 1985)
10. Soul Kitchen (Live, 1985)
11. Action Woman (Live, 1985)
12. Paint It Black (Live, 1985)
13. Run, Run, Run
(Live, 1985)
14. Friction (Live, 1985)
15. Crocodiles (Live, 1985)
16. Heroin (Live, 1983)
17. Do It Clean (Live, 1983)
18. The Cutter (Alternate Version)

CD 4

Siberia (2005)

1. Stormy Weather
2. All Because Of You Days
3. Parthenon Drive
4. In The Margins
5. Of A Life
6. Make Us Blind
7. Everything Kills You
8. Siberia
9. Sideways Eight
10. Scissors In The Sand
11. What If We Are?

Live In Liverpool (2006)

CD 1

1. Rescue
2. Lips Like Sugar
3. King Of Kings
4. Never Stop
5. Bring On The Dancing Horses
6. Seven Seas
7. Buried Alive
8. My Kingdom
9. All That Jazz
10. An Eternity Turns
11. The Back Of Love

CD 1

CD 2

1. The Killing Moon
2. The Cutter
3. Altamont
4. Flowers
5. Villiers Terrace
6. Over The Wall
7. Nothing Lasts Forever
8. Silver
9. Angels And Devils
10. Ocean Rain

CD 2

Me, I'm All Smiles (2006)

1. Going Up
2. With A Hip
3. Stormy Weather
4. Show Of Strength
5. Bring On The Dancing Horses
6. The Disease
7. Scissors In The Sand
8. All That Jazz
9. The Back Of Love
10. The Killing Moon
11. In The Margins
12. Never Stop
13. Villiers Terrace
14. Of A Life
15. Rescue
16. The Cutter
17. Nothing Lasts Forever
18. Lips Like Sugar
19. Ocean Rain

The Very Best Of Echo & The Bunnymen - More Songs To Learn And Sing (2006)

1. The Cutter
2. The Back Of Love
3. The Killing Moon
4. Seven Seas
5. Never Stop
6. Rescue
7. I Want To Be There (When You Come)
8. Don’t Let It Get You Down
9. A Promise
10. Silver
11. People Are Strange
12. Do It Clean
13. The Game
14. Rust
15. Lips Like Sugar
16. Nothing Lasts Forever
17. Bring On The Dancing Horses

Bonus Track
18. Hang On To A Dream
19. It’s Alright
20. Stormy Weather

The Killing Moon (The Best Of...) (2007)

CD 1

1. Pictures On My Wall
2. The Puppet
3. Do It Clean
4. Crocodiles
5. Rescue
6. All That Jazz
7. Villers Terrace
8. Show Of Strength
9. Over The Wall
10. A Promise
11. With A Hip
12. All My Colours
13. The Cutter
14. The Back Of Love
15. Higher Hell
16. Gods Will Be Gods
17. Never Stop
18. Heads Will Roll

CD 1

CD 2

1. The Killing Moon
2. Silver
3. Angels And Devils
4. Ocean Rain
5. My Kingdom
6. Seven Seas
7. Crystal Days
8. Bring On The Dancing Horses
9. People Are Strange
10. Bedbugs And Ballyhoo
11. The Game
12. Lost And Found
13. Thorn Of Crowns
14. Lips Like Sugar
15. Zimbo
16. Do It Clean (Live)
17. Ocean Rain (Live)
18. The Killing Moon (Live)

CD 2

The Fountain (2009)

1. Think I Need It Too
2. Forgotten Fields
3. Do You Know Who I Am
4. Shroud Of Turin
5. Life Of One Thousand Crimes
6. The Fountain
7. Everlasting Neverendless
8. Proxy
9. Drivetime
10. The Idolness Of Gods

KoЯn – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 30/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

Korn (às vezes escrito como KoЯn, para imitar o símbolo da banda) é uma banda de nu metal de Bakersfield, Califórnia, que atualmente assinou contratoom a gravadora Roadrunner records. Frequentemente levam o crédito de ser a banda pioneira do género nu metal e ter inspirado a onda de nu metal, metal alternativo e influenciado bandas de rapcore no meio dos anos 1990 e começo do século XXI, ajudando, em particular, Limp Bizkit (banda que foi descoberta pelos Korn) e junto a eles disseminaram o nu metal no mundo todo.

Desde o lançamento do primeiro álbum Korn em 1994, a banda já vendeu mais de 30 milhões de discos no mundo inteiro (16 milhões só nos Estados Unidos), o que faz com que Korn seja uma das bandas de metal mais bem sucedidas dos últimos 17 anos (1994 – 2010). A banda possui sete álbuns de estúdio consecutivos a atingirem a platina, um álbum de compilações platinado, e dez estreias consecutivas (incluindo o Greatest Hits, Volume 1 e MTV Unplugged) no top 10 do Billboard 200. Até ao momento, os Korn já tiveram 6 nomeações para Grammys, tendo ganho 2. Também tem o maior número de vídeos retirados para um artista de rock/metal na história do MTV Total Request Live – cinco. Atualmente a banda terminou de gravar o 9°album Korn III: Remember Who You Are lançado dia 13 de julho, no qual a banda retorna o estilo de new metal presente no início de sua carreira.

História

Os Korn tem as suas origens no começo dos anos 1990, mais concretamente em 1992, em Bakersfield, uma pequena cidade árida ao oeste do “Vale da Morte (Death Valley)”. Na adolescência, o baterista David Silveria, o guitarrista Munky e o baixista Fieldy tocam nos L.A.P.D.. Logo depois de gravar um disco com um vocalista provisório a banda acaba. Eles não conseguem ficar separados por muito tempo, voltando como Creep já com o guitarrista Head como membro definitivo.

Em 1993, quando Munky e Head estavam de saída de um bar, ouviram a voz de Jonathan Davis, que cantava pela banda SexArt, então ficaram impressionados tanto pelos talentos vocais quanto pela sua atitude insana e decidiram ficar até o final do concerto para então convidarem  Jonathan a entrar na banda.

Jonathan chegou a titubear pois não estava certo sobre a decisão de entrar para o grupo, então ele consultou uma cartomante antes de aceitar o convite, pois a mesma alertou-o que estaria sendo estúpido se não aceitasse. Dito isso, Jonathan integrou a banda e os Korn estavam formados.

Com a entrada de Jonathan Davis o som do grupo ganha uma atmosfera mais sombria, satânica, misturando elementos de música pesada, pós-punk, rock industrial e uma levada de funk estado-unidense, com letras que relatam experiências autobiográficas do vocalista, atingindo em cheio a juventude desiludida com as mentiras políticas, violência, opressão religiosa e a hipocrisia da sociedade contemporânea.

Além das letras realistas de Jonathan, a banda destacava-se pelo uso de guitarras de sete cordas (ao invés das tradicionais de seis), dando uma tonalidade mais grave às melodias devido também às baixas afinações. Fieldy também não se contenta com quatro cordas no seu baixo,  adicionando mais uma ao instrumento além de se destacar devido à sua abordagem percussiva do instrumento, que muitas vezes pode ser confundido com as levadas de bateria.

Em 1996, o Korn faz história na Internet, sendo a primeira banda a promover um programa de rádio interativo online. A intenção é lançar o segundo álbum, Life Is Peachy. Nessa época eles já contavam com uma legião de dois milhões de fãs, além de turnês cada vez maiores e uma crescente presença na mídia, junto à bandas da mesma gravadora, a holandesa RoadRunner Records.

Mais uma coisa inusitada acontece, quando um menino de 14 anos com uma doença terminal, pede para encontrar a banda por alguns minutos através da Make a Wish Foundation. A banda fica chocada, mas atende o pedido do menino, e o visitam por dias, isso mais tarde viria a se tornar a canção que leva o nome do menino, Justin.

A banda esteve no Brasil três vezes, a primeira em 2002, ainda divulgando o álbum Issues (Untouchables estava para ser lançado) em uma turnê pela América Latina, passando pela cidade de São Paulo onde tocou no Credicard Hall dois dias seguidos (11 e 12 de março). Seis anos depois eles voltam fazendo parte da turnê de Ozzy Osbourne que também teve a participação da banda Black Label Society como bandas de abertura. Nesta turnê, as três bandas tocaram no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 2010 eles fizeram show único no Brasil, em São Paulo no dia 21 de abril, tocando as músicas que foram votadas no blog oficial da banda, e também foi lançando o até então novo single Oildale (Leave me alone) que está no cd Korn III: Remember Who You Are.

Korn: O Álbum de Estreia

Em 1994, os Korn lançam o seu primeiro álbum: Korn. Na altura, chegou às lojas como ilustre desconhecido, mas actualmente é considerado um marco pois lançou as bases do nu metal, um das ramificações do rock mais difundidas no final dos anos 1990 e início do século XXI. Deste álbum, podemos enumerar “Blind”, “Clown”, “Faget” e “Shoots and Ladders” tendo este último single sido nomeado para um Grammy de 1997 na categoria de Melhor Desempenho de Metal. As vendas do álbum chegaram à dupla platina (dois milhões de álbuns vendidos) o que é uma excelente marca para um álbum de estreia. No final de 1995 a banda reúne-se novamente nos estúdios para gravar o seu novo álbum.

Life Is Peachy

Em 1996 chega às lojas o segundo álbum de originais dos Korn: Life is Peachy. Este foi um sucesso e chegou mesmo ao terceiro lugar nas listas de vendas nos Estados Unidos, atingindo ainda assim a dupla platina. Os singles mais importantes foram “A.D.I.D.A.S.”, “Good God”, “Twist” e “No  Place To Hide”, este último é nomeado para um Grammy de 1998 também na categoria de Melhor Desempenho de Metal. A banda passa por um duro revés na parte final da turnê por motivos de doença do guitarrista Munky. Deste modo, começam mais cedo a gravar o seu próximo LP, denominado mais tarde Follow The Leader.

Follow The Leader

Em 1998, os Korn atingem o auge ao lançarem Follow The Leader. Este álbum é um êxito instantâneo e sem precedentes: chega ao primeiro lugar nas paradas de vendas dos Estados Unidos e atinge a quíntupla platina (cinco milhões de álbuns vendidos nos EUA), e 8 milhões em todo o mundo. “Got The Life” torna-se um dos grandes hits de 1998 e 1999 nas rádios estado-unidenses e “Freak on a Leash” ganha prémios e ovações por onde quer que passe, pois além da canção arrebatadora e da inovação de videoclipe (que foi pioneiro na apresentação do efeito bullet time, popularizado posteriormente no filme Matrix) conta com um desenrolar soberbo de animação assinado por Todd McFarlane, criador do personagem de quadrinhos Spawn. Nos VMA de 1999, “Freak on a Leash”” venceu duas categorias entre as nove nomeações possíveis, sendo um dos vencedores do evento naquele ano. Ainda nesse ano a MTV nomeia o videoclipe como o 30º melhor de sempre enquanto que a VH1 considera-o como o 22º melhor de sempre. Já em 2000, a canção ganhou um Grammy para Melhor Videoclipe e ainda foi nomeado para Melhor Desempenho de Hard Rock. Os Korn criaram a sua própria editora, a Elementree Records (que trabalha com bandas como o Orgy) tendo conseguido um disco de ouro. Mas é também aos Korn que, nesta altura, descobrem a que vem mais tarde a ser a banda mais influente do nu metal, os Limp Bizkit. Mas querendo mais, os Korn lançam-se para o quarto álbum de originais.

Issues

Em 1999, os Korn lançam Issues, o mais trabalhado álbum do grupo. Chega imediatamente ao primeiro lugar nos topos de vendas e atinge a tripla platina (três milhões de álbuns). Os singles foram “Make Me Bad”, “Falling Away From Me” e “Somebody Someone”. “Falling Away From Me” é nomeado para os VMA de 2000 na categoria de Melhor Videoclipe de Rock. Com este álbum, a banda vê uma vez mais recompensado o seu trabalho ao ser considerado o 53º Melhor Artista de Hard Rock de Sempre, pela VH1. No final de 2000, a banda é obrigada a cancelar alguns concertos devido a uma lesão muscular do baterista David Silveria.

Untouchables

O álbum mais polémico sai apenas em 2002. Originalmente preparado para ser lançado a meio de 2001, este álbum teve vários adiamentos, primeiro porque não estava pronto para sair nas lojas e, depois, porque a banda quis só lançá-lo quando David Silveria tivesse recuperado da lesão. Neste álbum, os Korn misturaram o som tradicional do grupo com a electrónica, e, quando Untouchables chegou às lojas, ficou-se apenas pelo segundo lugar nos topos de vendas e atingiu apenas a platina (um milhão de álbuns), demonstrando uma menor aceitação por parte dos fãs a este novo som. Deste álbum, podemos enumerar “Here To Stay”, “Thoughtless” e “Alone I Break”. “Here To Stay” foi nomeado para os VMA de 2002 na categoria de Melhor Videoclipe de Rock e ainda venceu um Grammy de 2003 na categoria de Melhor Desempenho de Metal. A banda, no final de 2002, teve que cancelar alguns concertos devido a problemas de voz com Jonathan Davis.

Take A Look In The Mirror

O sexto álbum de originais dos Korn, Take a Look in The Mirror, é lançado no final de 2003. O álbum atinge a platina nos EUA e vendas de 2 milhões em todo o mundo. É o álbum que confirma o descalabro dos Korn a nível de vendas. Apenas os concertos mantém uma afluência idêntica à do auge, em 1998. Deste álbum é retirado “Right Now”, um vídeo de tal maneira violento que é banido da MTV, “Did My Time”, trilha sonora do filme Tomb Raider: o Berço da Vida, “Everything I’ve Known” e “Y’all Want a Single”, cujo videoclipe critica a indústria musical dos Estados Unidos. “Did My Time” é nomeado para um Grammy de 2004 na categoria de Melhor Desempenho de Metal. A tournê deste álbum marca por ter sido a última vez que a banda se apresentou em Portugal com os membros originais, a 9 de Junho de 2004 no Super Bock Super Rock desse mesmo ano.

Greatest Hits Vol.1

No final de 2004, os Korn lançaram a sua primeira colectânea: Greatest Hits Volume 1. Neste álbum, além de quase todos os grandes hits da banda, incluiu-se duas covers, “Word Up” de Cameo e “Another Brick in The Wall” dos Pink Floyd, e ainda uma versão remixada de “Freak on a Leash”. Este álbum atingiu o quarto lugar de vendas nos Estados Unidos, atingindo um ano depois a marca do milhão de exemplares vendidos. Em Fevereiro de 2005, os Korn anunciaram a saída de Brian “Head” Welch, não por tradicionais divergências mas porque este quer seguir mais activamente a sua religião, o Cristianismo, e já não se identifica com a música dos Korn.

See You On The Other Side

No Verão deste mesmo ano, os Korn assinam um contrato com a editora Virgin Records, tendo lançado o novo disco, See You On The Other Side, a 6 de Dezembro de 2005. Entrou em terceiro nos topos dos Estados Unidos e em quatro semanas conseguiram vender 500 mil cópias. Deste álbum já saiu o single “Twisted Transistor”, o maior sucesso a nível de singles dos Korn até hoje (atingiu o 3º lugar no top Modern Rock). O segundo single deste álbum, cujo videoclipe saiu em Março de 2006, foi “Coming Undone”. É uma canção mais pesada que “Twisted Transistor”, tendo uma batida bastante similar a “We Will Rock You” dos Queen.

O álbum já vendeu cerca de 2 milhões de cópias em todo o mundo, e chegou à platina nos E.U.A. a 16 de Março. Também conseguiu manter-se no Top 100 da tabela Billboard 200 durante 34 semanas seguidas vendendo mais de 1,3 milhões de discos, o que também mostra o aumento de vendas em relação ao Take a Look in the Mirror, que movimentou nos Estados Unidos somente 1,1 milhões de cópias. A tournê mundial realizada para promover o disco teve bastante sucesso, com receitas de $6.4 milhões, atingindo o 47º posto no Top 100 de Receitas de Concertos de 2006, organizado pela Pollstar.

A 6 de Maio, os Korn ganharam um MTV Asia Video Music Award na categoria de “Vídeo preferido” com o primeiro single do See You on the Other Side, “Twisted Transistor”, derrotando os Green Day, Kanye West, My Chemical Romance e Franz Ferdinand. A banda também tocou o single vencedor ao vivo durante o espectáculo.

Untitled

Após finalizada a digressão para promover o último trabalho, os Korn voltaram ao estúdio para gravar o que é até hoje o álbum mais experimental da banda. Lançado sem qualquer título oficial (segundo Davis, devem ser os fãs a dar o nome ao álbum), Untitled tem um som mais próximo do metal industrial, a lembrar Nine Inch Nails. Entrou directo para o segundo lugar nos tops de vendas dos EUA. O primeiro single do álbum foi Evolution, tendo mais tarde sido lançado Hold On.

Este álbum fica marcado pelo facto de ser o primeiro, e até agora o único, que não tem qualquer contribuição do baterista original David Silveria. Assim, para as gravações de estúdio participaram no seu lugar Terry Bozzio, Brooks Wackerman dos Bad Religion, e o próprio vocalista Jonathan Davis (já não fazia qualquer percussão desde Issues, em 1999). Entretanto, as performances ao vivo, pelo menos na turnê de Verão de 2007, ficaram a cargo do reconhecido baterista dos Slipknot, Joey Jordison. É também o único álbum de estúdio da banda, até à data, a não ser certificado com Platina nos EUA.

Korn III: Remember Who You Are

Em dezembro de 2009, a banda terminou de gravar seu nono álbum, que foi lançado em 13 de julho, cuja sonoridade retoma as origens da banda: um new metal agressivo com bastante peso e pegada, o álbum parece ter sido gravado em meados dos anos 90.

No dia 15 de março de 2010, foi anunciado na Ballroom Blitz Tour, o título do novo álbum, Korn III: Remember Who You Are. E no dia 23 de março, Ray anunciou que a banda assinou com a Roadrunner Records. No dia 6 de abril, a Harddrive Radio confirmou que “Oildale” será o primeiro single do álbum e será lançado no dia 12 de abril de 2010.

Membros
Membros Atuais

  • Jonathan Davis – vocal, gaita-de-fole (1993-presente)
  • Reginald Arvizu “Fieldy” – baixo (1993-presente)
  • James Shaffer “Munky” – guitarra, vocal de apoio, Talk Box (desde 1993-presente)
  • Ray Luzier – bateria (2007-presente)
  • Membros de Apoio Ao Vivo
  • Shane Gibson – guitarra (2007-presente)
  • Zac Baird – teclado, piano, vocal de apoio (2006-presente)
  • Joey Jordison – bateria (2007)
  • Mike Bordin – bateria (2000)
  • Rob Patterson – guitarra (2006-2007)
  • Kalen Chase – percussão, vocal de apoio (2006-2008)
  • Michael Jochum – percussão (2006-2007)

Membros Antigos

  • Brian “Head” Welch – guitarra (1993-2005)
  • David Silveria “Wally” – bateria (1993-2006)

Texto: Wikipedia

DISCOS

Korn (1994)

1. Blind
2. Ball Tongue
3. Need To
4. Clown
5. Divine
6. Faget
7. Shoots And Ladders
8. Predictable
9. Fake
10. Lies
11. Helmet In The Bush
12. Daddy
13. Hidden Track

Life Is Peachy (1996)

1. Twist
2. Chi
3. Lost
4. Swallow
5. Porno Creep
6. Good God
7. Mr. Rogers
8. K@#0% !!
9. No Place To Hide
10. Wicked
11. A.D.I.D.A.S.
12. Lowrider
13. Ass Itch
14. Kill You

Follow The Leader (1998)

1. It’s On!
2. Freak On A Leash
3. Got The Life
4. Dead Bodies Everywhere
5. Children Of The Korn (Feat. Ice Clube)
6. B.B.K.
7. Pretty
8. All In The Family (Feat. Fred Durst From Limp Bizkit)
9. Reclaim My Place
10. Justin
11. Seed
12. Cameltosis (Feat. Tré Hardson)
13. My Gift To You (Hidden Track ”Earache My Eye” Feat. Cheech Marin)

Issues (1999)

1. Dead
2. Falling Away From Me
3. Trash
4. 4 U
5. Beg For Me
6. Make Me Bad
7. It’s Gonna Go Away
8. Wake Up
9. Am I Going Crazy
10. Hey Daddy
11. Somebody Someone
12. No Way
13. Let’s Get This Party Started
14. Wish You Could Be Me
15. Counting
16. Dirty

A Bunch Of Rarities - Is This Legal? (2002)

1. Camel Song (From The OST – End Of Days)
2. Take It Back (Members Of Snot Feat. Jonathan Of Korn)
3. Jingle Balls (Previously Unreleased Studio Track)
4. Nobody Like You (Jonathan Of Korn With Limp Biszkit)
5. Ty Jonathan Down (Jonathan Of Korn With Video Drone)
6. Revival (Jonathan Of Korn With Orgy)
7. Lookaway (Master Vibe Mix) (Jonathan Of Korn With Sepultura)
8. Kick The P.A. (Korn Feat. The Dust Brothers)
9. Should I Stay Or Should I Go (Mack 10 Feat. Ice Cube And Korn)
10. Fuck Dying (Korn Feat. By Ice Cube)
11. End Of Time (Korn Feat. By Q-Tip)
12. Year 2000 (Remix) (Jonathan Of Korn Featured By Xbizit)
13. Falling Away From Me (Live At The Kemper Arena – Kansas, USA 12.10.99)
14. A.D.I.D.A.S. / Good God (Live – As Above)
15. Dirty (Live Version – Make Me Bad – B’Side)
16. Make Me Bad (Live Version – Make Me Bad – B’Side)
17. This Town (Demo Track – Human Waste Project Feat. Jonathan Of Korn)
18. Wicked (Tear The Roof Off Mix)
19. Christmas Song (Fuck The F.C.C. Version)

Untouchables (2002)

1. Here To Stay
2. Make Believe
3. Blame
4. Hollow Life
5. Bottled Up Inside
6. Thoughtless
7. Hating
8. One More Time
9. Alone I Break
10. Embrace
11. Beat It Upright
12. Wake Up Hate
13. I’m Hiding
14. No One’s There

Live In New York (2002)

1. Here To Stay
2. Twist
3. A.D.I.D.A.S.
4. Trash
5. Blind
6. Embrace
7. Faget
8. Falling Away Form Me
9. Blame
10. Make Me Bad / One / Justin
11. Freak On A Leash
12. Somebody Someone
13. Thoughtless
14. Shoots And Ladders
15. Got The Life

Take A Look In The Mirror (2003)

1. Right Now
2. Break Some Off
3. Counting On Me
4. Here It Comes Again
5. Deep Inside
6. Did My Time
7. Everything I’ve Known
8. Play Me
9. Alive
10. Let’s Do This Now
11. I’m Done
12. Y’All Want A Single
13. When Will This End

Greatest Hits - Vol.01 (2004)

1. Word Up!
2. Another Brick In The Wall (Pts. 1-2-3)
3. Y’All Want A Single
4. Right Now
5. Did My Time
6. Alone I Break
7. Here To Stay
8. Trash
9. Somebody Someone
10. Make Me Bad
11. Falling Away From Me
12. Got The Life
13. Freak On A Leash
14. Twist
15. A.D.I.D.A.S.
16. Clown
17. Shoots And Ladders
18. Blind
19. Freak On A Leash (Dante Ross Mix)

See You On The Other Side (2005)

1. Twisted Transistor
2. Politics
3. Hypocrites
4. Souvenir Of Sadness
5. 10 For A 2 – Way
6. Throw Me Away
7. Love Song
8. Open Up
9. Coming Undone
10. Getting Off
11. Liar
12. For No One
13. Seen It All
14. Tearjerker

Live & Rare (2006)

1. Did My Time
2. Blind
3. Falling Away From Me
4. Right Now
5. Got The Life
6. Here To Stay
7. Freak On A Leash
8. Another Brick In The Wall (Pts. 1-2-3)
9. One
10. Gift
11. A.D.I.D.A.S
12. Earache My Eye
13. Proud

MTV Unplugged (2007)

1. Liind
2. Hollow Life
3. Freak On A Leash (Feat. Amy Lee From Evanescene)
4. Falling Away From Me
5. Creep
6. Love Song
7. Got The Life
8. Twisted Transistor
9. Coming Undone
10. Make Me Bad / In Between Days (Feat. The Cure)
11. Throw Me Away

Untitled (2007)

1. Intro
2. Starting Over
3. Bitch We Got A Problem
4. Evolution
5. Hold On
6. Kiss
7. Do What They Say
8. Ever Be
9. Love And Luxury
10. Innocent Bystander
11. Killing
12. Hushabye
13. I Will Protect You

Collected (2009)

1. Blind
2. Helmet In The Bush
3. Chi
4. No Place To Hide
5. Got The Life
6. All In The Family
7. Beg For Me
8. Wake Up
9. Somebody Someone
10. Hollow Life
11. Beat It Upright
12. Play Me

Korn III - Remember Who You Are (2010)

1. Uber-Time
2. Oildale (Leave Me Alone)
3. Pop A Pill
4. Fear Is A Place To Live
5. Move On
6. Lead The Parade
7. Let The Guilt Go
8. The Past
9. Never Around
10.Are You Ready To Live?
11. Holding All These Lies

Bee Gees – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 28/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

Os Bee Gees são uma banda pop formada por três irmãos, o mais velho Barry Gibb, e os gêmeos Robin e Maurice Gibb. Nascidos na Ilha de Man e, tendo pais ingleses, moraram apenas alguns anos em Chorlton, Manchester, Inglaterra. Os irmãos mudaram-se ainda criançãs para Brisbane, Queensland, Australia. Fazem sucesso desde 1966, sendo um dos quatro artistas que mais venderam discos no mundo em todos os tempos. Passaram por diversos ritmos musicais, do rock psicodélico às baladas, passando pelo country e country rock, pelo rock, pela música disco, pelo R&B, pela música Romântica, terminando no pop rock moderno. Vendendo mais de 320 milhões de discos em todo mundo.Sendo incluídos no Hall da fama de grupos vocais, no Hall da Fama do Rock and Roll,no Hall da fama dos Compositores e ganhando no total vinte e oito prêmios Grammys. O álbum “Saturday Night Fever” é a trilha sonora mais vendida de todos os tempos e o segundo álbum mais vendido da história, recorde batido apenas pelo álbum “Thriller” de Michael Jackson. São os artistas que mais colocaram músicas em Filmes e Telenovelas no mundo todo,”How Deep Is Your Love?”,”I Started a Joke”,”Words”,”Massachusetts”,”First of May”,”Night Fever”,entre muitas outras são algumas delas. São considerados uma das maiores bandas de todos os tempos e o trio mais duradouro da história da música mundial, entre outros recordes.Possuem mais de mil músicas compostas.No ano de 2009 voltaram a ativa e comemoram 50 anos de uma carreira de intenso sucesso e êxitos.São uma das bandas que mais arrecadaram em todos os tempos,estima-se que supere a 360 milhões de Euros até 2010.

De 1945 a 1960 – Nascimento e Iniciação no Mundo da Música

O grupo é formado por três irmãos, filhos de dois músicos regionais ingleses, Hugh Gibb e Barbara Pass, pais de mais duas crianças. Primeiro, o casal teve uma filha Lesley Barbara Gibb, nascida em 1945 em Manchester. Depois a família se mudou para Douglas, na Ilha de Man. Lá nasceram os três integrantes dos Bee Gees: Barry Alan Crompton Gibb, em 1 de setembro de 1946; Robin Hugh Gibb e Maurice Ernest Gibb, gêmeos, em 22 de dezembro de 1949 e depois tiveram Andrew Roy Gibb, nascido em 1958, o filho mais novo.

A família viveu em Douglas até 1955, quando voltaram a Manchester, vivendo na localidade de Keppel Road. Em 1956, os pais Gibb descobriram o talento musical dos irmãos. Barry Gibb ganhou uma guitarra, e seu pai lhe ensinou a tocar na afinação havaiana. Enquanto isso, a harmonia natural nas vozes de Robin e Maurice era incentivada pelos pais. Então, os irmãos começaram a cantar nas ruas para conseguir uns trocados.

Em dezembro de 1957, Lesley ganhara um disco como presente de Natal. Os irmãos decidiram então, como sempre faziam, cantar por cima dele quando fossem se apresentar no cinema Gaumont, mas no caminho até o lugar da apresentação Maurice tropeçou e deixou o disco cair, deixando-o em pedaços. Desta forma, os irmãos tiveram que cantar a cappella. Começava então a carreira dos irmãos.

Em março de 1958, nasce o último filho de Hugh e Barbara Gibb: Andrew Roy Gibb que, futuramente, também iria ingressar no mundo da música, entretanto não como um Bee Gee. Ainda em 1958, mas em agosto, o clã emigrou para a Austrália, vivendo na cidade de Brisbane. Lá começaram a tocar em clubes noturnos, com relativa audiência.

Até ali, o grupo ainda não tinha nome fixo. Primeiramente, adotaram alguns nomes como The Blue Cats e The Rattlesnakes que, entretanto, não vingaram. Mas em 1959, um DJ sugeriu-lhes o nome de “Bee Gees”, já que em sua opinião havia muitos Bs e Gs na vida deles (por exemplo: Barbara Gibb, a mãe deles; Barry Gibb, um deles; Bill Gates, esse DJ; Brothers Gibb, em inglês, “irmãos Gibb”; e por aí vai). Mais tarde, em 1966, decidiram que Bee Gees iria ficar por “Brothers Gibb”.

Em 1959 começam a tocar em programas de televisão, tendo cada vez mais sucesso entre o povo australiano.

De 1961 a 1970 – O Início da Carreira Profissional

Em 1961, Barry acaba os estudos, e a família se muda para a área de Surfers Paradise, gastando bom tempo, entre 1961 e 1962 se apresentando em tantos hotéis e clubes quanto podiam. Em setembro de 1962, os Bee Gees participaram de uma audição com Col Joye, grande artista australiano da época, e seu irmão e empresário Kevin Jacobsen. Impressionado com o talento daquelas crianças, Kevin conseguiu uma grande apresentação para eles, junto do grande artista do momento, Chubby Checker, o que deu visibilidade e prestígio aos jovens.

Kevin conseguiu também com que os Bee Gees assinassem seu primeiro contrato musical com a maior gravadora de artistas independentes da Austrália, a Festival Records, sob a etiqueta Leedon, usando o nome Bee Gees. Inicialmente, quase chegaram a falir, mas com o sucesso “Wine and Women”, que chegou ao top 20 em 1965, puderam gravar seu primeiro disco, The Bee Gees Sing and Play 14 Barry Gibb Songs, que trouxe cinco canções novas, mais nove antigas.

Em 1966, os Bee Gees lançaram Spicks and Specks, já pela etiqueta Spin, também da Festival Records. Num certo dia de 1966, voltando de um dos concertos da turnê, Barry Gibb e seu pai, Hugh Gibb, sofreram um acidente de carro. Lembra Robin Gibb que acabou-se espalhando em Sydney, não se sabe como nem por que, que os Bee Gees tinham sido assassinados. As estações de rádio chegaram até a tocar todas as canções da banda e a ler mensagens de condolências.

Em outubro de 1966, os Bee Gees decidiram que iriam retornar à Inglaterra. Então, Nat Kipner cancelou o contrato e deixou-os ir, reservando, entretanto, os direitos de publicação da obra da banda na Austrália durante os próximos anos. Em 3 de janeiro de 1967, eles partiram no navio Fairsky, chegando a Southampton três dias após. Os Bee Gees tocavam em troca das passagens. Aliás, foi no navio que souberam que a canção “Spicks and Specks”, single do segundo disco, chegara ao topo das paradas australianas.

Logo que os Bee Gees cancelaram o contrato, já começaram a procurar uma nova editora. Conta a história que, em novembro, Hugh Gibb mandou, otimista, para a NEMS, a produtora dos Beatles, um pacote com artigos da imprensa e dois discos dos Bee Gees, Spicks and Specks e um outro com outras gravações, esperando algum tipo de contrato. Enquanto os Bee Gees viajavam de volta para a Inglaterra, foi trocado o diretor da NEMS, entrando o australiano Robert Stigwood. O pacote que Hugh mandou naturalmente ficou numa pilha com muitos outros pacotes de outras centenas de grupos com o mesmo sonho. Entretanto, Robert, por ser australiano e ao ver um pacote vindo da Austrália, decidiu ouvir o disco da banda e gostou do que ouviu. Mas mal sabiam os Bee Gees que eles já estavam sendo considerados por uma relativamente pequena gravadora inglesa, a Polydor, subsidiária da grande gravadora alemã homônima, e que até fez contatos com a Festival Records para lançar o material dos Bee Gees na Inglaterra e, se fizesse sucesso, levá-los em uma turnê. Quando os Bee Gees chegaram na Inglaterra, começaram a bater de escritório em escritório de gravadora atrás de contrato. Quando apareceram na Polydor, o diretor Ronald Rennie ficou interessado e contactou seu velho amigo Stigwood, para empresariá-los. Stigwood falou então com Hugh Gibb e depois os irmãos fizeram um teste. Passando, assinaram contrato com a Robert Stigwood Organisation em 24 de fevereiro. No mesmo dia foi lançado Spicks and Specks na Europa, sob aquele acordo da Festival Records com a Polydor.

Durante o tempo que passaram na Austrália, dois amigos começaram a ajudar a banda como apoio: eram Colin Petersen e Vince Melouney. Na Inglaterra, eles entraram como membros permanentes da banda.

O primeiro single mundial da banda, lançado já pela Polydor, foi “New York Mining Disaster 1941” em abril de 1967. Lançado de maneira inusitada, representou um verdadeiro golpe de marketing: o artista vinha escrito como “Be…es”, levando as pessoas a pensarem que era uma nova música dos Beatles. As pessoas compravam, acabavam gostando e depois descobriam que, em vez dos Beatles, eram os Bee Gees. Mas a canção que realmente lançou o trio ao estrelato foi “Massachusetts”, de novembro de 1967, que foi o primeiro single a chegar ao topo das paradas mundiais, em mais de dez países.

Até o fim dos anos 1960, os Bee Gees formaram um quinteto de rock, com influências do country e do soul e letras românticas. Com essas características, conseguiram outros sucessos: “To Love Somebody”, em 1967, “Words” e “I’ve Gotta Get a Message to You ‎ ” em 1968, além de “I Started a Joke”, a primeira canção dos Bee Gees a chegar no primeiro lugar no Brasil, em 1968.

No fim de 1968, os Bee Gees gravaram o álbum Odessa, lançado em 1969 contando com os singles First Of may e Melody Fair e que culminou na trágica separação do grupo, com a saída de Vince Melouney, no fim de 1968, e a de Robin, em março de 1969. Colin Petersen ainda gravou algumas canções com Barry e Maurice mas só permaneceu até agosto de 1969, quando foi despedido, sendo substituído por Geoff Bridgeford. Ainda em 1969, Robin gravou seu primeiro disco solo, que lançaria em 1970, com o sucesso Saved By the Bell. Barry e Maurice continuaram e gravaram como Bee Gees até dezembro de 1969, e o álbum resultante dessas gravações foi Cucumber Castle, com o single Don’t Forget to Remember lançado em abril de 1970.

Os Bee Gees começaram o ano de 1970 sem existir, sendo que cada um dos irmãos gravou um disco a ser lançado em 1970. Entretanto, aos poucos o grupo voltou a gravar junto, e os projetos solo foram largados de lado. Após a reaproximação, os irmãos não perderam tempo e lançaram 2 Years On, que só tem três faixas compostas pelos três Gibb’s, mas que incluia o grande sucesso Lonely Days, uma música reflexiva do período em que ficaram separados.

De 1971 a 1980 – Quase Falência, Ressurgimento e Auge

Em 1971, a banda teve seu primeiro grande sucesso nos Estados Unidos: a balada “How Can You Mend a Broken Heart?”, primeiro lugar na maior parte das paradas do continente e a terceira mais ouvida no Brasil em 1971. No ano seguinte foi a vez de “Run to Me” tocar na Europa. Mas a banda decaía. Os Bee Gees continuavam com esse ritmo de rock sessentista, que nessa época estava ficando fora de moda com o fim dos Beatles. Evoluindo do Funk e Soul norte-americanos a música disco estava entrando em ascensão no mainstream dos anos 70.Em 1973, lançaram o disco Life in a Tin Can, com fortes influências da música country. O resultado foi uma vendagem irrisória, nível de sucesso perto do nulo, quase-falência. Os Bee Gees gravaram então outro álbum, A Kick in the Head is Worth Eight in the Pants, em que voltavam àquele rock dos anos 1960. Acabou sendo rejeitado pela gravadora pela baixa vendagem de Life in a Tin Can e do single “Wouldn’t I Be Someone”. Mesmo assim, em 1974 no Brasil, os singles Elisa e It Doesn’t Matter Much To Me ficaram bem populares.

Ainda em 1973, eles foram para os Estados Unidos. Lá contrataram o produtor Arif Mardin, em substituição a Robert Stigwood. Mardin mostrou-lhes a tendência do momento. Então os Bee Gees lançaram, em 1974, o disco Mr. Natural, que tem uma levada mais soul. Entretanto, com toda a decadência que os Bee Gees tinham sofrido, o disco foi praticamente esquecido pela mídia, sendo um dos menos vendido da banda.Com tudo,Mr.Natural foi um marco na carreira dos irmãos,pois simbolizava a banda voltando aos eixos da musica mundial.

Em 1975, foi lançado Main Course, contendo os sucessos “Jive Talkin”, “Nights on Broadway” e “Fanny (Be Tender with My Love)”. Nessa época, KC and the Sunshine Band fazia sucesso com “That’s the Way (I like It)”, o primeiro grande sucesso da música disco. Os Bee Gees então decidiram embarcar nesse estilo. No ano seguinte, eles lançaram Children of the World, o primeiro álbum Disco da banda, que continha a balada “Love So Right” e o hit “You Should Be Dancing”, um clássico do gênero.

Depois de lançarem um disco ao vivo, foram convidados a participar da trilha sonora do filme Os Embalos de Sábado à Noite, que na época bateu todos os recordes de vendagem (até hoje é um best-seller, já vendeu mais de 50 milhões de cópias, só ficando atrás de Thriller, de Michael Jackson). “Stayin’ Alive”, “How Deep Is Your Love?” e “Night Fever” alcançaram o primeiro lugar em vários países, no auge da era disco. “More than a Woman”, de mesmo álbum, ainda alcançou 7º lugar na Itália. O grupo também assinou a faixa “If I Can’t Have You”, sucesso na voz de Yvonne Elliman, e a balada “Emotion”, sucesso interpretado pela cantora australiana Samantha Sang.

Era mesmo o ano dos irmãos Gibb. Barry ainda compôs em 1978 a faixa-título do filme musical Grease – Nos Tempos da Brilhantina, essa interpretada por Frankie Valli. Os Bee Gees ainda arrumaram tempo para participar do filme musical Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, baseado no álbum homônimo dos Beatles.

Andy Gibb, o caçula da família Gibb, nunca quis fazer parte dos Bee Gees, mesmo tendo sido chamado várias vezes. Ele tentou a carreira solo, alcançando grande sucesso entre 1978 e 1980, com vários primeiros lugares nas paradas. Músicas como “I Just Wanna Be Your Everything” e “Shadow Dancing” fizeram muito sucesso na época, ambas compostas pelos Brothers Gibb, cujas vozes também estão presentes nas versões originais, com voz principal de Andy Gibb. Seus discos foram produzidos por Barry Gibb, o irmão mais velho.

Em 1979, os Bee Gees lançaram o Albúm Spirits Having Flown onde mostraram sua força e emplacaram vários sucessos, como “Tragedy” e “Too Much Heaven”, que foram bastante executadas nas rádios. O álbum vendeu mais de 30 milhões de cópias (até hoje) e a turnê Spirits foi grandiosa, percorrendo cerca de sessenta lugares nos EUA. Além disso, o álbúm trouxe a música “Love You Inside Out” que foi a última música a ocupar o primeiro lugar nas paradas do EUA.

Os irmãos terminaram a década de 1970 como artistas consagrados. Dando uma pausa na carreira, decidiram trabalhar como produtores para outros artistas. Assim, se dividiram em dois grupos, contudo sem deixar de comporem juntos, para produzirem discos a serem lançados em 1980. Robin Gibb e Blue Weaver produziram o disco Sunrise para Jimmy Ruffin. Em contrapartida, Barry Gibb, Karl Richardson e Albhy Galuten produziram After Dark para Andy Gibb e Guilty para Barbra Streisand. Nenhum dos discos produzidos fez sucesso, excetuando-se o produzido para Barbra Streisand, que vendeu mais de vinte milhões de cópias no mundo inteiro.

De 1981 a 1990 – Um “Brake” e A Volta

Em 1981, os Bee Gees decidiram lançar mais um disco: Living Eyes, com singles como o pop/rock He’s A Liar, a balada Paradise e a pop Living Eyes, mas fracassou devido ao pouco apoio das rádios, que já estavam saturadas de músicas dos Gibb nas paradas de sucesso, e começaram a promover outro ritmo emergente, o punk rock. Após isto, os irmãos decidiram se separar, mas antes gravaram mais canções, a serem lançadas na trilha de Os Embalos de Sábado Continuam, como o hit single The Woman In You e a balada Someone Belongin To Someone.

Em meados dos anos 1980, as equipes começaram a desenvolver diversos trabalhos. A equipe de Robin e Maurice se concentrou em álbuns solos de Robin. Já a equipe liderada por Barry buscou a produção musical para outros artistas. As tentativas solo renderam certo sucesso que, porém, ficou restrito à Europa, Japão e América Latina. Baladas como “Juliet” (trabalho de Robin Gibb, de 1983), “Shine Shine” (Barry Gibb, de 1984) e “Like a Fool” (Robin Gibb, de 1985) nunca estouraram nos Estados Unidos, mas são conhecidas mundialmente. Já outras canções como “Hold Her in Your Hand” (Maurice Gibb, de 1984), “Fine Line” (Barry Gibb, de 1984) e “Toys” (Robin Gibb, de 1986) ficaram bem apagadas, sem estourar em quase nenhuma parte do mundo.

As investidas das equipes como produtores e compositores renderam trabalhos para Dionne Warwick (1982), Kenny Rogers (1983), Diana Ross (1985) e Carola (1986). Para Dionne Warwick, a equipe de Barry produziu Heartbreaker, que tornou-se um dos melhores discos da cantora, com destaques para a faixa-título, “All The Love In The World” e “Yours”. Para Kenny Rogers, foi produzido Eyes That See in The Dark, que gerou sucessos como “Islands in the Stream” e “You and I”. Para Diana Ross, foi feito o álbum Eaten Alive, do qual foram destaques as faixas “Eaten Alive”, que conta com a participaçao de Michael Jackson nos backin’s vocals e teclados, “Chain Reaction” e “Experience”. Já para Carola Häggkvist, numa das únicas reuniões para produção para outros artistas da equipe de Robin Gibb e Maurice Gibb, brotou o disco Runaway, sucesso absoluto com “The Runaway” e “Radiate” na Suécia (país natal da cantora), e que rendeu a ela dois discos de platina.

Em 1985, os Bee Gees começaram a se reaproximar. Começaram a recompor juntos. Desse começo de reaproximação surgem canções como “Toys”, de 1986. Mas ainda não era a volta dos Bee Gees. Houve ainda algumas investidas em direção a produção para outros artistas e projetos solo, até que em outubro de 1986, os Bee Gees assinam com a Warner, voltando então a trabalhar juntos. Em 1987, lançaram o álbum E.S.P, que os devolveu ao primeiro lugar em boa parte do mundo, mas não na América, com o sucesso “You Win Again”. Em 1988 os Bee Gees participaram do Prince’s Trust gravado no Albert Hall em Londres, interpretando os sucessos You Win Again e Jive Talkin’ ao lado de artistas consagrados como Phil Collins, Brian May e Midge Ure, e participaram do Nelson Mandela’s Tribute. Barry produziu a trilha sonora do filme Hawks, gerando praticamente mais um album solo, mas com composiçoes de todos os Gibb’s. No mesmo ano a família sofreu um abalo com a morte de Andy Gibb, que sofria de uma problema cardíaco agravado após anos de uso de drogas e álcool. Mesmo assim, o álbum seguinte, One (1989) foi lançado em sua homenagem, e conseguiu popularidade na América com os singles One, Ordinary Lives e Wish You Were Here (em português: “Eu Queria que Você Estivesse Aqui”, homenagem ao irmão falecido no ano anterior), ficando no top 10 por quase um ano, e originando a turnê One For All, que percorreu Europa e Ásia e que foi registrada em VHS (lançado em DVD posteriormente). Em 1990 a musica Bodyguard, do album One, teve uma certa popularidade nos EUA. No mesmo ano fizeram uma apresentaçao beneficente no Hurricane Relief, em Miami.

De 1991 a 2000 – Anos de Mais Sucessos e Premiações

Outros singles e álbuns foram lançados nos anos 1990, repetindo sucesso localizado na Europa, Ásia e América Latina. Em 1991, é lançado o álbum “High Civilization”, com grande sucesso na Alemanha, e mais alguns países da Europa, lançando o hit single “Secret Love”, alem de singles como “When He’s Gone” e a poderosa balada “The Only Love”. Esse sucesso “concentrado” na Europa Ocidental resultou na turnê “High Civilization Tour” no mesmo ano. Em 1993, mais um álbum é lançado…”Size Isn’t Everything”, com singles como “Payin’ The Price Of Love”, “Blue Island”, e a poderosa balada “For Whom The Bell Tolls” até hoje muito tocada nas rádios. Foram lançados mais 2 singles no ano posterior…”How To Fall In Love pt.1″ e “Kiss Of Life”. Nessa mesma época foi planejado uma turne nomeada de Full Size, para promover seu mais recente album. Porem a idéia foi descartada por problemas fisicos de Barry, que impossibilitou de viajar. Para suprir a falta de turne, o canal Vh1 apresentou um show especial dos Bee Gees, entitulado Center Stage que foi gravado em 1993 e foi apresentado em todos os paises onde o canal era transmitido. De 1994 a 1997, muitas composições nasceram, e resultaram no álbum seguinte “Still Waters” lançado em 1997, e um dos álbuns mais vendidos desde “Saturday Night Fever”. Com “Alone” voltaram ao topo das paradas nos Estados Unidos depois de muitos anos, ganhando disco duplo de platina. Outro single de muito sucesso do álbum foi a poderosa balada “I Could Not Love You More”, que pouco foi tocada ao vivo, mas que pode ser encontrada no Acústico “Storytellers”, não lançado oficialmente.

Neste mesmo ano de 1997, os irmãos lançaram um documentário sobre sua carreira chamado “Keppel Road” (Contendo clipes do álbum Still Waters) e começaram sua grande turnê “One Night Only” pelo mundo todo (em média, um show por continente) que durou até 1999, tocando seus maiores sucessos e divulgando o álbum “Still Waters” pelo mundo através de músicas como “Alone”, “Closer Than Close” e “Still Waters Run Deep”. Um desses shows, realizado no luxuoso hotel “MGM Grand Las Vegas”, foi lançado em DVD e CD no ano seguinte, contendo essas músicas também. Os Bee Gees também compuseram, cantaram e produziram um mega hit de Celine Dion, “Immortality”, que permaneceu durante um ano nas paradas de todo mundo. Em 1998, foi realizado o show “An Audience With The Bee Gees”, também não lançado oficialmente, com a setlist bem parecida com a do DVD, onde foram entrevistados pela platéia e tocaram também sucessos como “You Win Again” e “Chain Reaction”. Essa Década foi também um período de muitas premiações, tais como a indicaçao para o Songwriters Hall Of Fame (Hall Da Fama dos compositores) em 1994 e a indicaçao para o Rock N’ Roll Hall Of Fame em 1997, entre mais de 10 outros premios.

De 2001 a 2009 – Fim do Grupo e Trabalhos Solo

Em 2001, lançaram o que foi o seu último álbum, This Is Where I Came In, um álbum pop rock, em que se destaca a canção/título “This Is Where I Came In”, “Wedding Day”, “Sacred Trust” e “Man In The Middle”, álbum que também teve repercussão localizada em países diferentes: sucesso na Europa, frieza na América, estouro na Ásia.Gravaram no mesmo ano o Dvd Live By Request e um documentário em Dvd completo sobre a vida deles, tendo o mesmo nome de seu último álbum This Is Where I Came In. Depois, os Bee Gees decidiram dar um tempo. Em 2002, Robin Gibb começa a gravar seu quinto álbum solo. Entretanto, uma tragédia acontece em 12 de Janeiro de 2003: de ataque cardíaco, morre Maurice Gibb; curiosamente sua irmã Leslie faz aniversário nesse dia. Maurice tinha a fama de ser o mediador entre as mentes conflitantes de Barry e Robin. Estes então anunciaram o fim do grupo, no dia 22. Durante sua carreira, os Bee Gees ganharam sete prêmios Grammy e foram incluídos no Songwriters Hall of Fame (Hall da Fama dos Compositores) e, em 1997, no Hall da Fama do Rock and Roll.

Os irmãos continuaram seu trabalho de forma solo. E, mesmo com a morte do irmão, Robin lançou um disco solo em 2003, o álbum Magnet, que vem com diversas baladas modernas, e que chegou a ser bem difundido na Europa com o single Please. No mesmo ano a musica Wedding Day, integrou a trilha sonora do filme Até Que Os Parentes Nos Separem (The In Laws), com Michael Douglas. Robin trabalhou no ano seguinte com Alistair Griffin na releitura de My Lover’s Prayer, do álbum Still waters de 1997, e em 2005, com o G4 na releitura de First Of May. Produziu o single de lançamento de uma das ex-integrantes da banda Atomic Kitten, com sucesso estrondoso na Inglaterra e Europa. Entre 2004 e 2006 saiu em turnê pelo mundo, turnê esta que foi chamada Magnetic Tour, da qual um dos concertos foi registrado em CD e DVD e lançado em 2005.

Em 2004 os irmãos Gibb receberam o título Doutor Honoris Causa da Universidade de Manchester e a Comenda de Cavaleiros do Império Britânico, em Londres. Barry trabalhou compondo e produzindo para Cliff Richard, em 2004, e para Barbra Streisand, em 2005, revivendo o sucesso de 1980. O álbum Guilty Pleasures, produzido para ela, foi bem visto em todo o mundo e icluia os singles Come Tommorow em dueto com Barry e Stranger in The Strange Land. Ainda em 2005, a dupla relançou o album Guilty, como ediçao especial de 25 anos, com Cd e DVD, o que fez com que Barry aparecesse na mídia mais uma vez.

Em 2006, os irmãos se reuniram para uma apresentação beneficente em Miami e para o Prince’s Trust em Londres. Receberam no mesmo ano um prêmio da Academia Britânica da Música. Mas nada disso é fonte de união dos irmãos. No mesmo ano, a dupla assina com a Reprise Records, que começa a relançar um a um os álbuns da banda. Seguindo solo, Barry começa a lançar várias músicas no iTunes: lança seus novos singles “Doctor Mann” e “Underworld” e as demos dos álbuns produzidos por ele na década de 1980 — The Guilty Demos, The Heartbreaker Demos, The Eyes That See in the Dark Demos e The Eaten Alive Demos. Robin lança, em novembro, seu último álbum: My Favourite Christmas Carols, que contém vários hinos natalinos mais a faixa “Mother of Love”, sua mais nova composição.

Em 2007, Barry e Robin gravaram um documentário sobre a repercussão de suas músicas no filme Saturday Night Fever, lançado em DVD no mesmo ano, em comemoração aos 30 anos de lançamento do filme. Já Barry lançou em 2007 seu single country Drown on the River, que esteve na trilha do filme Deal, no Brasil o filme foi nomeado de Negócios e Trapaças.

Em 2008, Robin segue em sua carreira solo se apresentando em vários países cantando sucessos dos Bee Gees e de sua carreira solo, e lançou quatro singles em 2008: Alan Freeman Days, Wing and a Prayer, Ellan Vannin e Stayin’ Alive, esse último em dueto com a cantora russa Valeryia. Enquanto isto, Barry participou do novo álbum de Olivia Newton-John, na música The Heart Knows e participou do single da cantora Jamie Jo, U Turn Me On.

2009 – Anúncio da Volta aos Palcos

Robin preparou seu novo álbum solo 50 St Catherine’s Drive, porem ate agora sem novidades de lançamento e em março de 2009 participou da nova versão da música Islands in the Stream, junto com Tom Jones e a dupla country Byrns & Nessa, alcançando mais uma vez o primeiro lugar nas paradas inglesas, tornando os Gibb’s os únicos compositores a ter pelo menos uma música no topo das paradas em 5 décadas distintas (60s, 70s, 80s, 90s e 2000s). Barry estava preparando ainda em seu 3º álbum solo, com lançamento previsto para 2009, o que tambem nao ocorreu, talvez pelo retorno dos Bee Gees. Tudo indicava que um álbum country estava a caminho. Constantemente Barry participa de chats com fans em seu site oficial e recentemente se apresentou no Love and Hope Ball, interpretando os sucessos dos Bee Gees, com participações de Olivia Newton-John e seu filho Steve Gibb. Em março de 2009, Barry se apresentou no Sound Relief em Sidney, na Austrália, interpretando os grandes sucessos dos Bee Gees, novamente ao lado de Olivia Newton-John, show que ainda conta com apresentações de vários artistas como a banda Coldplay. O show deve ser lançado em breve em DVD.

As esperanças sobre uma volta do grupo começaram em 2009, com Robin e Barry trabalhando conjuntamente em um musical dos Bee Gees a ser lançado e, em julho, participando de uma homenagem feita pela Rhino em comemoração aos 50 anos de carreira na Inglaterra. Além disso, eles fizeram uma apresentação juntos, sob o nome de Bee Gees, tocando seus maiores sucessos em Manchester, Inglaterra. Robin, então, deu uma entrevista à rádio britânica BBC revelando que é a volta definitiva dos Bee Gees aos palcos, dizendo que ele e Barry já estão se preparando para uma grande turnê.

Ainda em 2009, os irmãos decidiram lançar duas coletâneas. A primeira, Ultimate Bee Gees: The 50th Anniversary Collection traz dois discos, um de músicas dançantes e outro de românticas, todas sucessos da carreira da banda. A edição de luxo traz ainda um DVD com clipes da banda totalmente remasterizado, iniciativa inédita do grupo. A outra, Mythology, estava planejada para ser lançada junto com a primeira, no dia 3 de novembro de 2009, mas foi adiada para 2010; ela traz quatro discos, cada um contendo músicas interpretadas por cada irmão Gibb, inclusive Andy. A coletânea Mythology ainda conta com cançoes inéditas na voz de Andy Gibb e Maurice Gibb. Para a divulgaçao da coletânea Ultimate, os Bee Gees iniciaram no final de Outubro uma série de apresentaçãoes na televisao. É a primeira apresentaçao dos Bee Gees na mídia após 07 anos, excetuando a apresentaçao em 2006, no Prince’s Trust.

Bee Gees em 2010

No dia 15 de março de 2010, os Bee Gees induziram o grupo ABBA, no Rock and Roll Hall Of Fame. Um fato importante, pois foram os artistas escolhidos para essa honra,em meio de tantos outros.

E no dia 16 de março de 2010, Barry e Robin, agora como Bee Gees outra vez estiveram no Talk-Show Americano “Late Night With Jimmy Fallon” (mesmo ator que interpreta Barry no programa de comédia americano “Barry Gibb Talk Show”) onde falaram da volta dos Bee Gees e da coletanea Mythology prevista para Dezembro desse ano. Ainda no programa os ‘Bee Gees’ cantaram “Nights on Broadway” acapella. Robin revelou em seu site, que o novo documentario sobre a vida e obra dos Bee Gees, pode ser lançado na mesma época do Mythology. Robin esteve no World Music Awards 2010, para entregar um prêmio a Andrea Boccelli e no dia 26 de maio, os Bee Gees fizeram uma aparição surpresa na final do reality show American Idol, interpretando seu grande sucesso How Deep Is Your Love. Em 2009, Robin se tornou presidente da CISAC, uma organizaçao que luta a favor de que os direitos autorais dos artistas e as decisões sobre o uso da obra sejam estabelecidos pelos proprios artistas e não pelo governo. Dentro desse conceito, Robin recentemente gravou um comunicado em video, sobre o apoio da CISAC junto aos artistas brasileiros. Junto ao lançamento do album Mythology, os Bee Gees planejam uma enorme turne.

Filmes

Os Bee Gees já fizeram algumas investidas rumo ao ramo da atuação. Desde 1967, já pensavam em fazer um projeto chamado Cucumber Castle, que seria uma comédia musical passada num reino medieval. Entretanto, o projeto foi empurrado com a barriga até 1969, quando em agosto deste ano, já sem Robin Gibb, a banda decide iniciar as gravações. A história foi lançada como um especial de televisão, transmitido pela BBC 2 num sábado, 26 de dezembro de 1970, às 13:30 GMT.

Poucos sabem, mas os Bee Gees também estrelaram um filme da Universal Studios produzido por Robert Stigwood e George Martin chamado Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, lançado em 21 de julho de 1978 nos Estados Unidos. Estrelavam também no filme Peter Frampton, Frankie Howerd, Paul Nicholas e Donald Pleasence, além de Sandy Farina no papel de Strawberry Fields, Dianne Steinberg como Lucy e Steve Martin como Dr. Maxwell Edison. Além dos Bee Gees e de Peter Frampton, contavam com a participação especial do Aerosmith, de Alice Cooper, Earth, Wind & Fire, Billy Preston, Stargard, e George Burns como Mr. Kite. O filme foi dirigido por Michael Schultz. Apesar de todo esse elenco estrelado, o filme, que tinha sim uma grande referência ao álbum homônimo dos Beatles, foi um fracasso de bilheteria.

Mesmo depois dessas investidas todas dos Bee Gees no ramo do cinema, Barry Gibb e Robin Gibb não desistiram e, em 1984 decidiram fazer o filme-musical Now Voyager. Além deles, no filme também estrelava Michael Hordern, e desta vez estouro de bilheteria.Mostrando o talento dos irmãos também estrelando no Cinema.

Curiosidades

  • Em algumas entrevistas, Maurice Gibb revela que John Lennon o ensinou a beber.
  • Os Bee Gees herdaram alguns instrumentos musicais usados pelos Beatles.
  • Maurice Gibb não aparece nas gravações caseiras na infância dos Bee Gees porque era ele quem filmava.
  • Barry Gibb conta que ao sua família se mudar para a Austrália, ele e Robin foram poupados de ir para um reformatório de menores, pois não eram crianças comportadas.
  • Maurice Gibb já chegou a apontar uma arma para seus dois irmãos.
  • Os Bee Gees são até hoje os únicos músicos que conseguiram cinco músicas suas no TOP 10 mundial.
  • Barry, Robin e Maurice Gibb são os unicos compositores a terem pelo menos 1 canção a chegar no primeiro lugar das paradas em cinco décadas distintas: 60’s, 70’s, 80’s, 90’s e 2000’s.
  • Os Bee Gees começaram a cantar por “acidente”, pois Maurice quebrou o disco que os irmãos iriam dublar.
  • O local onde os Bee Gees começaram a cantar hoje é uma funerária.
  • Muitos artistas gravaram músicas compostas pelos Bee Gees,entre eles: Elvis Presley, Janis Joplin, Barbra Streisand, N Sync, Wyclef Jean, Destiny’s Child, Celine Dion, Al Green, Diana Ross, Luther Vandross, Kenny Rogers, Dolly Parton, Dionne Warwick, Johnny Mathis, Sarah Vaughn, Pras Michel, Oscar Dela Hoya, entre outros.
  • Barry Gibb considera-se melhor compositor do que cantor.
  • Bono líder da banda U2,disse que os Bee Gees e Beatles estão acima dos demais artistas.

Integrantes
Oficiais

  • Barry Alan Crompton Gibb – voz, vocal, guitarra e violão (1 de setembro de 1946)
  • Robin Hugh Gibb – voz,vocal (22 de dezembro de 1949)
  • Maurice Ernest Gibb – voz, vocal, Piano, Guitarra, teclado (sintetizadores), Baixo, Violão, órgão, contra-baixo, percussão,violino (22 de dezembro de 1949 – 12 de janeiro de 2003)

Como visto, Robin Gibb é gêmeo (fraterno) de Maurice Gibb. Mas Robin nasceu 35 minutos antes.

Texto: Wikipedia

DISCOS

The Bee Gees Sing And Play 14 Barry Gibb Songs (1965)

1. I Was A Lover, A Leader Of Men
2. I Don’t Think It’s Funny
3. How Love Was True
4. To Be Or Not To Be
5. Timber
6. Claustrophobia
7. Could It Be
8. And The Children Laughing
9. Wine And Women
10. Don’t Say Goodbye
11. Peace Of Mind
12. Take Hold Of That Star
13. You Wouldn’t Know
14. Follow The Wind

Spicks And Specks (1966)

1. Monday’s Rain
2. How Many Birds
3. Playdown
4. Second Hand People
5. I Don’t Know Why I Bother With Myself
6. Big Chance
7. Spicks And Specks
8. Jingle Jangle
9. Tint Of Blue
10. Where Are You
11. Born A Man
12. Glass House

Rare Precious And Beautiful (1966)

1. Spicks And Specks
2. Wine And Women
3. I Don’t Think It’s Funny
4. Turn Around Look At Me
5. I Am The World
6. The Battle Of The Blue And Green
7. How Love Was True
8. And the Children Laught
9. You Wouldn’t Know
10. I Want Home
11. Timber
12. I Was A Lover, A Leader Of Men
13. Peace Of Mind

Bee Gees'1St (1967)

1. Turn Of The Century
2. Holiday
3. Red Chair Fade Away
4. One Minute Woman
5. In My Own Time
6. Every Christian Lion Hearted Man Will Show You
7. Craise Finton Kirk Royal Academy Of Arts
8. New York Mining Disaster 1941
9. Cucumber Castle
10. To Love Somebody
11. I Close My Eyes
12. I Can’t See Nobody
13. Please Read Me
14. Close Another Door

Rare Precious And Beautiful (1968) I, II, III

Rare Precious And Beautiful I – 1968

1. Where Are You?
2. Spicks And Specks
3. Playdown
4. Big Chance
5. Glass House
6. How Many Birds
7. Second Hand People
8. Monday’s Rain
9. I Don’t Know Why I Bother With Myself
10. Jingle Jangle
11. Tint Of Blue
12. Born A Man

Rare Precious And Beautiful II – 1968

1. I Was A Lover, A Leader Of Men
2. Follow The Wind
3. Claustrophobia
4. Theme From ”The Travels Of Jaimie McPheeters”
5. Every Day I Have To Cry
6. Take Hold Of That Star
7. Could It Be
8. To Be Or Not To Be
9. The Three Kisses Of Love
10. Cherry Red
11. All Of My Life
12. Don’t Say Goodbye

Rare Precious And Beautiful III – 1969

1. Wine And Women
2. I Don’t Think It’s Funny
3. Turn Around, Look At Me
4. I Am The World
5. The Battle Of The Blue And The Grey
6. How Love Was True
7. And The Children Laughing
8. You Wouldn’t Know
9. I Want Home
10. Timber
11. I Was A Lover, A Leader Of Men
12. Peace Of Mind

Horizontal (1968)

1. World
2. And The Sun Will Shine
3. Lemons Never Forget
4. Really And Sincerely
5. Birdie Told Me
6. With The Sun In My Eyes
7. Massachusetts
8. Harry Braff
9. Day Time Girl
10. The Earnest Of Being George
11. The Change Is Made
12. Horizontal

Idea (1968)

1. Let There Be Love
2. Kitty Can
3. In The Summer On His Years
4. Indian Girl And Whisky Dry
5. Down To Earth
6. Such A Shame
7. I’ve Gotta Get A Message To You
8. Idea
9. When The Swallows Fly
10. I Have Decided To Join The Air Force
11. I Started A Joke
12. Killburn Towers
13. Swan Song

Odessa - 1969 (Special Edition - Stereo & Mono)

CD 1 – Stereo

1. Odessa (City On The Black Sea)
2. You’ll Never See My Face Again
3. Black Diamond
4. Marley Purt Drive
5. Edison
6. Melody Fair
7. Suddenly
8. Whisper Whisper
9. Lamplight
10. Sound Of Love
11. Give Your Best
12. Seven Seas Symphony
13. With All Nations (International Anthem)
14. I Laugh In Your Face
15. Never Say Never Again
16. First Of May
17. The British Opera

CD 1

CD 2 – Mono

1. Odessa (City On The Black Sea)
2. You’ll Never See My Face Again
3. Black Diamond
4. Marley Purt Drive
5. Edison
6. Melody Fair
7. Suddenly
8. Whisper Whisper
9. Lamplight
10. Sound Of Love
11. Give Your Best
12. Seven Seas Symphony
13. With All Nations (International Anthem)
14. I Laugh In Your Face
15. Never Say Never Again
16. First Of May
17. The British Opera

CD 2

CD 3

1. Odessa (Demo)
2. You’ll Never See My Face Again (Alternate Mix)
3. Black Diamond (Demo)
4. Marley Purt Drive (Alternate Version)
5. Barbara Come To Say
6. Edison (Alternate Mix)
7. Melody Fair (Demo)
8. Melody Fair (Alternate Mix)
9. Suddenly (Alternate Mix)
10. Whisper Whisper (Pt. Two – Alternate Version)
11. Lamplight (Demo)
12. Lamplight (Alternate Version)
13. Sound Of Love (Alternate Version)
14. Give Your Best (Alternate Mix)
15. Seven Seas Symphony (Demo)
16. With All Nations (International Anthem) (Vocal Version)
17. I Laugh In Your Face (Alternate Mix)
18. Never Say Never Again (Alternate Mix)
19. First Of May (Demo)
20. First Of May (Alternate Mix)
21. Nobody’s Someone
22. Pity
23. Odessa Promotional Spot

CD 3

Best Of Bee Gees - Vol.01 (1969)

1. Holiday
2. I’ve Gotta Get A Message To You
3. I Can’t See Nobody
4. Words
5. I Started A Joke
6. Spicks And Specks
7. First Of May
8. World
9. Massachusetts
10. To Love Somebody
11. Every Christian Lion Hearted Man Will Show You
12. New York Mining Disaster 1941

Cucumber Castle (1970)

1. If I Only Had My Mind On Something Else
2. I.O.I.O.
3. Then You Left Me
4. The Lord
5. I Was The Child
6. I Lay Down And Die
7. Sweetheart
8. Bury Me Down By The River
9. My Thing
10. The Chance Of Love
11. Turning Tide
12. Don’t Forget To Remember

Inception Nostalgia (1970)

1. In The Morning
2. Like Nobody Else
3. Daydream
4. Lonely Winter
5. You’re A Reason
6. Coalman
7. Butterfly
8. Storm
9. Lum-De-Loo
10. You’re Nobody Til Somebody Loves You
11. You Won’t See Me
12. The End
13. I’ll Know What To Do
14. All By Myself
15. Ticket To Ride
16. I Love You Because
17. Paperback Writer
18. Somewhere
19. The Twelfth Of Never
20. Forever
21. Top Hat
22. Hallelujah I Love Her So
23. Terrible Way To Treat Your Baby
24. Exit Stage Right

2 Years On (1970)

1. 2 Years On
2. Portrait Of Louise
3. Man For All Seasons
4. Sincere Relation
5. Back Home
6. Th 1st Mistake I Made
7. Lonely Days
8. Alone Again
9. Tell Me Why
10. Lay It On Me
11. Every Second, Every Minute
12. I’m Weeping

Trafalgar (1971)

1. How Can You Mend A Broken Heart
2. Israel
3. The Greatest Man In The World
4. It’s Just The Way
5. Remembering
6. Somebody Stop The Music
7. Trafalgar
8. Don’t Wanna Live Inside Myself
9. When Do I
10. Dearest
11. Lion In Winter
12. Walking Back To Waterloo

To Whom It May Concern (1972)

1. Run To Me
2. We Lost The Road
3. Never Been Alone
4. Paper Mache, Cabbages & Kings
5. I Can Bring Love
6. I Held A Party
7. Please Don’t Turn Out The Lights
8. Sea Of Smiling Faces
9. Bad Bad Dreams
10. You Know It’s For You
11. Alive
12. Road To Alaska
13. Sweet Song Of Summer

Life In A Tin Can (1973)

1. Saw A New Morning
2. I Don’t Wanna Be The One
3. South Dakota Morning
4. Living In Chicago
5. While I Play
6. My Life Has Been A Song
7. Come Home Johnny Birdie
8. Method To My Madness

A Kick In The Head Is Worth Eight In The Pants (1973)

Disco Não Lançado

1. Wouldn’t I Be Someone
2. A Lonely Violin
3. Where Is Your Sister
4. Losers And Lovers
5. Home Again Rivers
6. King And Country
7. Jesus In Heaven
8. Castles In The Air
9. Dear Mr. Kissinger
10. Harry’s Gate

Bonus Tracks: Midnight Special 1973 US TV Broadcast

11. Rocky LA
12. Elisa
13. It Doesn’t Matter Much To Me
14. Life, Am I Wasting My Time?

Best Of Bee Gees - Vol.02 (1973)

1. How Can You Mend A Broken Heart?
2. I.O.I.O.
3. Don’t Wanna Live Inside Myself
4. Melody Fair
5. My World
6. Let There Be Love
7. Saved By The Bell
8. Lonely Days
9. Morning Of My Life
10. Don’t Forget To Remember
11. And The Sun Will Shine
12. Run To Me
13. Man For All Seasons
14. Alive

Mr. Natural (1974)

1. Charade
2. Throw A Penny
3. Down The Road
4. Voices
5. Give A Hand, Take A Hand
6. Dogs
7. Mr. Natural
8. Lost In Your Love
9. I Can’t Let You Go
10. Heavy Breathing
11. Had A Lot Of Love Last Night

Main Course (1975)

1. Nights On Broadway
2. Jive Talkin’
3. Wind Of Change
4. Songbird
5. Fanny (Be Tender With My Love)
6. All This Making Love
7. Country Lanes
8. Come On Over
9. Edge Of The Universe
10. Baby As You Turn Away

Children Of The World (1976)

1. You Should Be Dancing
2. You Stepped Into My Life
3. Love So Right
4. Lovers
5. Can’t Keep A Good Man Down
6. Boogie Child
7. Love Me
8. Subway
9. The Way It Was
Children Of The World

Here At Last... Bee Gees... Live (1977)

CD 1

1. I’ve Gotta Get A Message To You
2. Love So Right
3. Edge Of The Universe
4. Come On Over
5. Can’t Keep A Good Man Down
6. New York Mining Disaster 1941
7. Run To Me / World
8. Holiday / I Can’t See Nobody / I Started A Joke / Massachusetts
9. How Can You Mend A Broken Heart
10. To Love Somebody

CD 2

1. You Should Be Dancing
2. Boogie Child
3. Down The Road
4. Words
5. Wind Of Change
6. Nights On Broadway
7. Jive Talkin’
8. Lonely Days

Saturday Night Fever - Soundtrack (1977)

1. Stayin’ Alive
2. How Deep Is Your Love
3. Night Fever
4. More Than A Woman
5. If I Can’t Have You (With. Yvonne Elliman)
6. A Fifth Of Beethoven (With. Walter Murphy)
7. More Than A Woman (With. Tavares)
8. Manhattan Skyline (With. David Shire)
9. Calypso Breakdown (With. McDonald Ralph)
10. Night On Disco Mountain (With. David Shire)
11. Open Sesame (With. Kool & The Gang)
12. Jive Talking
13. You Should Be Dancing
14. Boogie Shoes (With. KC & The Sunshine Band)
15. Salsation (With. David Shire)
16. K-Jee (With. M.S.F.B.)
17. Disco Inferno (With. The Trammps)

Spirits Having Flown (1979)

1. Tragedy
2. Too Much Heaven
3. Love You Inside Out
4. Reaching Out
5. Spirits
6. Search, Find
7. Stop (Think Again)
8. Living Together
9. I’m Satisfied
10. Until

Living Eyes (1981)

1. Living Eyes
2. He’s A Liar
3. Paradise
4. Don’t Fall In Love With Me
5. Soldiers
6. I Still Love You
7. Wildflower
8. Nothing Could Be Good
9. Cryin’ Every Day
10. Be Who You Are

Staying Alive - Soundtrack (1983)

1. The Woman In You
2. I Love You Too Much
3. Breakout
4. Someone Belonging To Someone
5. Life Goes On
6. Staying Alive
7. Far From Over (Frank Stallone)
8. Look Out For Number One
9. Finding Out The Hard Way
10. Moody Girl (Frank Stallone)
11. (We Dance) So Close To The Fire
12. I’m Never Gonna Give You Up

E.S.P. (1987)

1. E.S.P.
2. You Win Again
3. Live Or Die (Hold Me Like A Child)
4. Giving Up The Ghost
5. The Longest Night
6. This Is Your Life
7. Angela
8. Overnight
9. Crazy For You Love
10. Backtafunk
11. E.S.P. (Vocal Reprise)

One (1989)

1. Ordinary Lives
2. One
3. Bodyguard
4. It’s My Neighborhood
5. Tears
6. Tokyo Nights
7. Flesh And Blood
8. Wish You Were Here
9. House Of Shame
10. Will You Ever Let Me
11. Wing And A Prayer

Tales From The Brothers Gibb - A History In Song 1967-1990

CD 1

1. New York City Mining Disaster 1941
2. I Can’t See Nobody
3. To Love Somebody
4. Holiday
5. Massachusetts
6. Barker Of The U.F.O.
7. World
8. Sir Geoffrey Saved The World
9. And The Sun WIll Shine
10. Words
11. Sinking Ships
12. Jumbo
13. The Singer Sang His Song
14. I’ve Gotta Get A Message To You
15. I Started A Joke
16. First Of May
17. Melody Fair
18. Tomorrow, Tomorrow
19. Sun In My Morning
20. Saved By The Bell
21. Don’t Forget To Remember
22. If I Only Had My Mind On Something Else
23. I.O.I.O.
24. Railroad
26. 25. I’ll Kiss Your Memory

Parte 1

Parte 2

CD 2

1. Lonely Days
2. Morning Of My Life (In The Morning)
3. How Can You Mend A Broken Heart
4. Country Woman
5. Don’t Wanna Live Inside Myself
6. My World
7. On Time
8. Run To Me
9. Alive
10. Saw A New Morning
11. Wouldn’t I Be Someone
12. Elisa
13. King And Country
14. Mr. Natural
15. It Doesn’t Matter Much To Me
16. Throw A Penny
17. Charade

Parte 1

Parte 2

CD 3

1. Jive Talkin’
2. Nights On Broadway
3. Fanny (Be Tender With My Love)
4. You Should Be Dancing (Long Remix Version)
5. Love So Right
6. Boogie Child
7. Edge Of The Universe (Live Version)
8. How Deep Is Your Love
9. Stayin’ Alive
10. Night Fever
11. More Than A Woman
12. If I Can’t Have You
13. (Our Love) Don’t Throw It All Away
14. Too Much Heaven
15. Tragedy
16. Love You Inside Out

Parte 1

Parte 2

CD 4

1. He’s A Liar
2. Another Lonely Night In New York
3. The Woman In You
4. Someone Belonging To Someone
5. Toys
6. My Eternal Love
7. Where Tomorrow Is
8. Letting Go
9. E-S-P (Demo Version)
10. You Win Again
11. Ordinary Lives
12. One
13. Juliet
14. To Love Somebody
15. Medley: New York Mining Disaster 1941 / Holiday / Too Much Heaven / Heartbreaker / Islands In The Stream / Run To Me / World
16. Spicks And Specks

Parte 1

Parte 2

The Very Best Of The Bee Gees (1990)

1. New York Mining Disaster 1941
2. To Love Somebody
3. Massachussetts
4. World
5. Words
6. I’ve Gotta Get A Message To You
7. First Of May
8. Don’t Forget To Remember
9. Saved By The Bell
10. Run To Me
11. Jive Talkin
12. Nights On Broadway
13. You Should Be Dancing
14. How Deep Is Your Love
15. More Than A Woman
16. Stayin’ Alive
17. Night Fever
18. Too Much Heaven
19. Tragedy
20. You Win Again
21. Ordinary Lives

High Civilization (1991)

1. High Civilization
2. Secret Love
3. When He’s Gone
4. Happy Ever After
5. Party With No Name
6. Ghost Train
7. Dimensions
8. The Only Love
9. Human Sacrifice
10. True Confessions
11. Evolution

Size Isn't Everything (1993)

1. Paying The Price Of Love
2. Kiss Of Life
3. How To Fall In Love (Pt. 1)
4. Omega Man
5. Haunted House
6. Heart Like Mine
7. Anything For You
8. Blue Island
9. Above And Beyond
10. For Whom The Bell Tolls
11. Fallen Angel
12. Decadance

Still Waters (1997)

1. Alone
2. I Surrender
3. I Could Not Love You More
4. Still Waters Run Deep
5. My Lover’s Prayer
6. With My Eyes Closed
7. Irresistible Force
8. Closer Than Close
9. I Will
10. Obsessions
11. Miracles Happen
12. Smoke And Mirrors

Bonus Track
13. Rings Around The Moon
14. Love Never Dies

One Night Only (1998)

CD 1

1. Intro: You Should Be Dancing / Alone
2. Massachusetts
3. To Love Somebody
4. Words
5. Closer Than Close
6. Islands In The Stream
7. Our Love (Don’t Throw It All Away)
8. Night Fever / More Than A Woman
9. Lonely Days
10. New York Mining Disaster 1941
11. Can’t See Nobody
12. And The Sun Will Shine
13. Nights On Broadway
14. How Can You Mend A Broken Heart?
15. Heartbreaker
16. Guilty
17. Immortality (Feat. Celine Dion)
18. Tragedy
19. I Started A Joke
20. Grease
21. Jive Talkin’
22. How Deep Is Your Love
23. Stayin’ Alive
24. You Should Be Dancing

CD 2

1. I’ve Gotta Get A Message To You
2. One
3. Still Waters Run Deep
4. Morning Of My Life (In the Morning)
5. Too Much Heaven
6. Run To Me

This Is Where I Came (2001)

1. This Is Where I Came In
2. She Keeps On Coming
3. Sacred Trust
4. Wedding Day
5. Man In The Middle
6. Déjà Vu
7. Technicolor Dreams
8. Walking On Air
9. Loose Talk Costs Lives
10. Embrace
11. The Extra Mile
12. Voice In The Wildernes

Bonus Track
13. Just In Case
14. Promise The Earth

Their Greatest Hits: The Record (2001)

CD 1

1. New York Mining Disaster 1941
2. To Love Somebody
3. Holiday
4. Massachusetts
5. World
6. Words
7. I’ve Gotta Get A Message To You
8. I Started A Joke
9. First Of May
10. Saved By The Bell
11. Don’t Forget To Remember
12. Lonely Days
13. How Can You Mend A Broken Heart
14. Run To Me
15. Jive Talkin’
16. Nights On Broadway
17. Fanny (Be Tender With My Love)
18. Love So Right
19. If I Can’t Have You
20. Love Me
21. You Should Be Dancing

CD 1

CD 2

1. Stayin’ Alive
2. How Deep Is Your Love
3. Night Fever
4. More Than A Woman
5. Emotion
6. Too Much Heaven
7. Tragedy
8. Love You Inside Out
9. Guilty: Barbra Streisand With Barry Gibb
10. Heartbreaker
11. Islands In The Stream
12. You Win Again
13. One
14. Secret Love
15. For Whom The Bell Tolls
16. Alone
17. Immortality
18. This Is Where I Came In
19. Spicks And Specks

CD 2

Number Ones (2004)

1. Massachusetts
2. World
3. Words
4. I’ve Gotta Get A Message To You
5. I Started A Joke
6. Don’t Forget To Remember
7. Lonely Days
8. How Can You Mend A Broken Heart
9. Jive Talkin’
10. You Should Be Dancing
11. Love So Right
12. How Deep Is Your Love
13. Stayin’ Alive
14. Night Fever
15. Too Much Heaven
16. Tragedy
17. Love You Inside Out
18. You Win Again
19. Man In The Middle (Special Maurice Gibb Tribute Track)

Love Songs (2005)

1. To Love Somebody
2. Words
3. First Of May
4. Lonely Days
5. How Can You Mend A Broken Heart
6. How Deep Is Your Love
7. More Than A Woman
8. (Our Love) Don’t Throw It All Away
9. Emotion
10. Too Much Heaven
11. Heartbreaker
12. Island In The Stream
13. Juliet
14. Secret Love
15. For WhomThe Bell Tolls
16. Closer Than Close
17. I Could Not Love You More
18. Wedding Day

Live At The Beeb 1967-1970 (2007)

1. New York Mining Disaster 1941
2. Holiday
3. To Love Somebody
4. I Can’t See Nobody
5. In My Own Time (1St Performance)
6. Mrs. Gillespies Refrigerator
7. I Close My Eyes
8. Cucumber Castle
9. In My Own Time (2nd Performance)
10. One Minute Woman
11. (The Lights Went Out In) Massachusetts
12. Birdie Told Me
13. And The Sun Will Shine
14. Words
15. World
16. Man For All Seasons
17. Lonely Days
18. Alone Again
19. Every Second, Every Minute
20. Saved By The Bell (Robin Gibb Solo 1970)
21. August October (Robin Gibb Solo 1970)
22. Weekend (Robin Gibb Solo 1970)

The Ultimate Bee Gees (2009)

CD 1

1. You Should Be Dancing
2. Stayin Alive
3. Jive Talkin
4. Nights On Broadway
5. Tragedy
6. Night Fever
7. More Than A Woman
8. Fanny (Be Tender With My Love)
9. Spirits Having Flown
10. If I Can’t Have You
11. Boogie Child
12. Love You Inside Out
13. You Win Again
14. One
15. Secret Love
16. Alone
17. Still Waters (Run Deep)
18. This Is Where I Came In
19. Spicks And Specks (Live)

Parte 1

Parte 2

CD 2

1. How Deep Is Your Love
2. To Love Somebody
3. Words
4. How Can You Mend A Broken Heart
5. Too Much Heaven
6. Emotion
7. Lonely Days
8. Run To Me
9. Love So Right
10. For Whom The Bell Tolls (Single Edit)
11. I’ve Gotta Get A Message To You (Mono Single Mix)
12. New York Mining Disaster 1941 (Mono Mix)
13. Massachusetts
14. I Started A Joke
15. World
16. First Of May
17. Holiday
18. Don’t Forget To Remember
19. Islands In The Stream (Live)
20. Heartbreaker (Live)
21. Guilty (Live)

CD 2

Woodstock

Posted in Classic Rockflash on 21/08/2010 by classicrockflash

O Woodstock Music & Art Fair (informalmente chamado de Woodstock ou Festival de Woodstock) foi um festival de música anunciado como “Uma Exposição Aquariana: 3 Dias de Paz & Música”, organizado na fazenda de 600 acres de Max Yasgur na cidade rural de Bethel, no estado de Nova York, Estados Unidos. Foi realizado entre os dias 15 de agosto e 18 de agosto de 1969. Originalmente, o festival deveria ocorrer na pequena cidade de Woodstock, também estado de Nova Iorque, onde moravam músicos como Bob Dylan, mas a população não aceitou, o que levou o evento para a pequena Bethel, a uma hora e meia de distância.

O festival exemplificou a era hippie e a contracultura do final dos anos 1960 e começo de 70. Trinta e dois dos mais conhecidos músicos da época apresentaram-se durante um chuvoso fim de semana defronte a meio milhão de espectadores. Apesar de tentativas posteriores de emular o festival, o evento original provou ser único e lendário, reconhecido como uma dos maiores momentos na história da música popular.

O evento foi capturado em um documentário lançado em 1970, Woodstock, além de uma trilha-sonora com os melhores momentos.

História

O Festival de Woodstock surgiu dos esforços de Michael Lang, John P. Roberts, Joel Rosenman e Artie Kornfeld. Roberts e Rosenman, que entrariam com as finanças, colocaram um anúncio sob o nome de Challenge International, Ltd., no New York Times e no Wall Street Journal (“Jovens com capital ilimitado buscam oportunidades de investimento legítimas e interessantes e propostas de negócios”). Lang e Kornfeld responderam o anúncio, e os quatro reuniram-se inicialmente para discutir a criação de um estúdio de gravação em Woodstock, mas a idéia evoluiu para um festival de música e artes ao ar livre.

Mesmo considerado um investimento arriscado, o projeto foi montado tendo em vista retorno financeiro. Os ingressos passaram a ser vendidos em lojas de disco e na área metropolitana de Nova York, ou via correio através de uma caixa postal. Custavam 18 dólares (aproximadamente 75 dólares em valores atuais), ou 24 dólares se adquiridos no dia. Aproximadamente 186,000 ingressos foram vendidos antecipadamente, e os organizadores estimaram um público de aproximadamente 200,000 pessoas. Não foi isso que aconteceu, no entanto. Mais de 500,000 pessoas compareceram, derrubando cercas e tornando o festival um evento gratuito.

O primeiro dia do festival.Este influxo repentino provocou congestionamentos imensos, bloqueando a Via Expressa do Estado de Nova York e eventualmente transformando Bethel em “área de calamidade pública”. As instalações do festival não foram equipadas para providenciar saneamento ou primeiros-socorros para tal multidão, e centenas de pessoas se viram tendo que lutar contra mau tempo, racionamento de comida e condições mínimas de higiene.

Embora o festival tenha sido reconhecidamente pacífico, dado o número de pessoas e as condições envolvidas, houve duas fatalidades registradas: a primeira resultado de uma provável overdose de heroína, e a outra após um atropelamento de trator. Houve também dois partos registrados (um dentro de um carro preso no congestionamento e outro em um helicóptero), e quatro abortos.

Ainda assim, em sintonia com as esperanças idealísticas dos anos 60, Woodstock satisfez a maioria das pessoas que compareceram. Mesmo contando com uma qualidade musical excepcional, o destaque do festival foi mesmo o retrato comportamental exibido pela harmonia social e a atitude de seu imenso público.

Apresentações

Trinta e duas apresentações foram realizadas ao longo dos quatro dias do evento:

Sexta-feira, 15 de agosto

  • Richie Havens
  • Swami Satchidananda – deu a invocação para o festival
  • Sweetwater
  • The Incredible String Band
  • Bert Sommer
  • Tim Hardin
  • Ravi Shankar
  • Melanie
  • Arlo Guthrie
  • Joan Baez

Sábado, 16 de agosto

  • Quill, quarenta minutos para quatro músicas
  • Keef Hartley Band
  • Country Joe McDonald
  • John Sebastian
  • Santana
  • Canned Heat
  • Mountain
  • Grateful Dead
  • Creedence Clearwater Revival
  • Janis Joplin com The Kozmic Blues Band
  • Sly & the Family Stone
  • The Who começou às 4 da manhã, dando início a um conjunto de 25 músicas, incluindo Tommy
  • Jefferson Airplane

Domingo, 17 de agosto para Segunda, 18 de agosto

  • The Grease Band
  • Joe Cocker
  • Country Joe and the Fish
  • Ten Years After
  • The Band
  • Blood, Sweat & Tears
  • Johnny Winter featuring his brother, Edgar Winter
  • Crosby, Stills & Nash
  • Neil Young
  • Paul Butterfield Blues Band
  • Sha-Na-Na
  • Jimi Hendrix

Apresentações Canceladas

The Jeff Beck Group estava agendado para tocar no festival, mas cancelou pois a banda acabou uma semana antes.
Iron Butterfly ficaram presos no aeroporto.
A banda canadense Lighthouse estava certa de que tocaria no festival, mas, no final, acabaram decidindo por não tocar, pois temeram que aquilo fosse uma cena ruim para a banda. Mais tarde, alguns membros do grupo disseram que se arrependeram da decisão.

Convites Recusados

  • The Beatles: O site woodstockstories.com apresenta duas alternativas para a recusa dos Beatles. A primeira é que os organizadores teriam contactado John Lennon, e ele disse que a banda só tocaria se a Plastic Ono Band de Yoko Ono também pudesse se apresentar. O site afirma que a explicação mais plausível é que Lennon queria tocar, mas sua entrada nos Estados Unidos a partir do Canadá foi bloqueada pelo presidente Nixon. De qualquer modo, os Beatles estavam prestes a se separar, e inclusive não tocavam ao vivo faziam três anos, desde de agosto de 1966.
  • The Doors: considerado como uma alternativa, cancelou sua aparição no último momento; de acordo com o guitarrista Robbie Krieger, eles recusaram pois pensaram que aquela seria mais uma “imitação de segunda categoria do Monterey Pop Festival”, mais tarde se arrependendo da decisão. Outro fator foi que o vocalista Jim Morrison estaria inseguro quanto a se apresentar fronte a grandes platéias. O baterista John Densmore no entanto compareceu ao festival, e no filme pode ser visto no palco durante a apresentação de Joe Cocker.
  • Led Zeppelin: também foi convidado, de acordo com seu empresário Peter Grant: “Fomos chamados pra tocar em Woodstock e a Atlantic gostou da idéia, assim como nosso promoter nos EUA, Frank Barsalana, mas eu disse não pois em Woodstock seríamos apenas mais uma banda”. Ao invés disso o grupo embarcou em uma bem-sucedida turnê de verão, tocando naquele mesmo final de semana no Asbury Park Convention Hall em New Jersey.
  • Jethro Tull: recusou o convite, de acordo com Ian Anderson, pois seu empresário lhe disse que haveria montes de drogas, lama e hippies. Embora a banda não tenha se apresentado no festival, sua música foi tocada pelo sistema sonoro de utilidade pública. No filme, durante entrevistas com os organizadores (quando eles discutem quanto dinheiro estão perdendo com o evento), as canções “Beggar’s Farm” e “Serenade to a Cuckoo”, do álbum This Was, podem ser ouvidas ao fundo.
  • The Byrds: foram convidados, mas escolheram não participar pensando que Woodstock não teria nada de diferente dos outros festivais musicais que estavam acontecendo naquele verão. Também estavam preocupados com o cachê, de acordo com declarações do baixista John York: “Estávamos indo pra um show e Roger McGuinn chegou e disse que um cara estava organizando um festival no norte de Nova York, mas que naquele ponto já não estavam mais pagando as bandas. Ele perguntou se queríamos ir, e todos responderam, ‘Não, queremos descansar’. Não fazíamos idéia de como aquilo seria. Estávamos esgotados, e também cansados daquela coisa de festivais. Então recusamos, e perdemos o melhor festival de todos”.
  • Bob Dylan: estava negociando para tocar, mas desistiu depois que seu filho ficou doente. Ele também estava insatisfeito com o número de hippies acampando perto de sua casa, no local onde o festival ocorreria originalmente.
  • Joni Mitchell: estava agendada para tocar, mas cancelou pois seu empresário temia que ela perdesse uma participação no programa de TV The Dick Cavett Show.
  • The Moody Blues: apareceram no primeiro pôster de divulgação do evento, mas desistiram de participar após agendarem um show em Paris naquele mesmo final de semana.

Outras Edições

Para comemorar os 25 anos do superevento, 250 mil pessoas se reuniram no Woodstock ’94, em Saugerties, a 135 km de Nova York. Pagaram 135 dólares para ouvir 40 bandas, entre eles o Nine Inch Nails, Aerosmith, Metallica, Green Day, Red Hot Chili Peppers e músicos como Peter Gabriel, Carlos Santana e Joe Cocker. Outra edição ocorreu em 1999, destruindo a reputação do “Festival da Paz e do Amor” devido à violência e tumultos supostamente incentivados por bandas como Limp Bizkit, Insane Clown Posse e Kid Rock.

Imitações Brasileiras

O Brasil também tentou emular a aura hippie. Em 1971, na cidade de Guarapari, foi realizado o “Festival de Verão de Guarapari”, que, devido a falta de verbas dos organizadores foi um fracasso retumbante.

Já em janeiro de 1975, na Fazenda Santa Virgínia, em Iacanga, interior de São Paulo, aconteceu o primeiro “Festival de Águas Claras”, também anunciado como o pretenso “Woodstock brasileiro”.

Curiosidades

Max Yasgur (15 de Dezembro de 1919 — 9 de Fevereiro de 1973) foi o dono da fazenda em Bethel, Nova York, onde ocorreu o festival em 1969.
A banda Grateful Dead tocou durante a chuva. Alguns membros da banda tomaram choques durante a sua apresentação e Phil Lesh (o baixista) ouviu o rádio de transmissão de um helicóptero através do amplificador de seu baixo enquanto tocava.
The Doors inicialmente concordaram em tocar pois acharam que o festival fosse ocorrer no Central Park, mas decidiram ir contra a idéia quando souberam que o festival ocorreria em uma fazenda isolada da cidade.
Jimi Hendrix estava agendado para tocar no domingo, mas, pelas ocorrências inesperadas, acabou por tocar na manhã de segunda-feira, quando restavam apenas 35.000 pessoas.
Apesar do festival ter abrangido uma multidão de 500.000 pessoas, apenas 200 pessoas foram presas no local por ofensas, mesmo estando sob os efeitos incontestáveis das drogas.
Foram documentadas apenas duas mortes no festival: uma pessoa morreu de overdose de drogas, a segunda pessoa morreu ao ser atropelada por um trator enquanto dormia no campo. Algumas fontes afirmam que há uma terceira morte, devido a uma apendicite, mas isso ainda não foi provado.

Texto: Wikipedia

Abaixo Os Discos da Comemoração dos 40 anos de Woodstock, vale apena relembrar.

Senha/Password MediaFire: classicrockflash

Woodstock 40 Years On Back To Yasgur's Farm (2009)

CD 1

1. Handsome Johnny – Richie Havens
2. Freedom (Motherless Child) – Richie Havens
3. Choppity Choppity – John Morris
4. Look Out – Sweetwater
5. Two Worlds – Sweetwater
6. Jennifer – Bert Sommer
7. And When It’s Over – Bert Sommer
8. Smile – Bert Sommer
9. There Goes Marilyn! – John Morris
10. Hang On To A Dream – Tim Hardin
11. Simple Song Of Freedom – Tim Hardin
12. Flat Blue Acid – John Morris
13. Aga Puriya – Dhanashr
14. Momma Momma – Melanie
15. Beautiful People – Melanie
16. Birthday Of The Sun – Melanie
17. Coming Into Los Angeles – Arlo Guthrie
18. Wheel Of Fortune – Arlo Guthrie
19. Every Hand In The Land – Arlo Guthrie
20. All You Funny People – John Morris

Parte 1

Parte 2

CD 2

1. Joe Hill – Joan Baez
2. Sweet Sir Galahad – Joan Baez
3. Hickory Wind – Joan Baez
4. Drug Store Truck Drivin’ Man – Joan Baez With Jeffrey Shurtleff
5. Bring Scully His Asthma Pills – John Morris
6. Insulin & Quill Intro – John Morris
7. They Live The Life – Quill
8. That’s How I Eat – Quill
9. I Understand Your Wife Is Having A Baby – Chip Monck
10. Donovan’s Reef – Country Joe Mcdonald
11. The ‘Fish’ Cheer – Country Joe McDonald
12. Persuasion – Santana
13. Soul Sacrifice – Santana
14. How Have You Been – John B. Sebastian
15. Rainbows All Over Your Blues – John B. Sebastian
16. I Had A Dream – John B. Sebastian
17. The Letter – Incredible String Band
18. When You Find Out Who You Are – Incredible String Band
19. She Is Lost – Chip Monck

Parte 1

Parte 2

CD 3

1. We’re In Pretty Good Shape – Chip Monck
2. Going Up The Country – Canned Heat
3. Woodstock Boogie – Canned Heat
4. The Brown Acid – Chip Monck
5. Blood Of The Sun – Mountain
6. Theme For An Imaginary Western – Mountain
7. For Yasgur’s Farm – Mountain
8. Green Acid – Chip Monck
9. Green Acid – Jerry Garcia & Country Joe
10. Dark Star – Grateful Dead
11. Green River – Creedence Clearwater Revival
12. Bad Moon Rising – Creedence Clearwater Revival
13. I Put A Spell On You – Creedence Clearwater Revival

Parte 1

parte 2

CD 4

1. Work Me, Lord – Janis Joplin
2. Ball And Chain – Janis Joplin
3. Medley: Dance To The Music / Music Lover / I Want To Take You Higher – Sly & The Family Stone
4. The Politics Of The Situation – Abbie Hoffman
5. Amazing Journey – The Who
6. Pinball Wizard – The Who
7. Abbie Hoffman vs. Pete Townshend – The Who
8. We’re Not Gonna Take It – The Who
9. The Other Side Of This Life – Jefferson Airplane
10. Somebody To Love – Jefferson Airplane
11. Won’t You Try / Saturday Afternoon – Jefferson Airplane
12. We Got A Whole Lot Of Orange – Grace Slick
13. Volunteers – Jefferson Airplane
14. Breakfast In Bed For 400.000 – Wavy Gravy
15. It Just Keeps Goin – John Morris
16. Max Yasgur Speaks – Max Yasgur

Parte 1

Parte 2

CD 5

1. Feelin’ Alright – Joe Cocker
2. Let’s Go Get Stoned – Joe Cocker
3. With A Little Help From My Friends – Joe Cocker
4. The Rainstorm – Joe Cocker
5. Rock & Soul Music – Country Joe And The Fish
6. Love – Country Joe And The Fish
7. Not So Sweet Martha Lorraine – Country Joe And The Fish
8. Summer Dresses – Country Joe And The Fish
9. Silver And Gold – Country Joe And The Fish
10. Rock & Soul Music (Reprise)Country Joe And The Fish
11. Leland Mississippi Blues – Johnny Winter
12. Mean Town Blues – Johnny Winter
13. You’ve Made Me So Very Happy – Blood, Sweat And Tears

parte 1

Parte 1

CD 6

1. Suite: Judy Blue Eyes – Crosby, Stills And Nash
2. Guinnevere – Crosby, Stills And Nash
3. Marrakesh Express – Crosby, Stills And Nash
4. 4 + 20 – Crosby, Stills And Nash
5. Sea Of Madness – Crosby, Stills, Nash And Young
6. Wooden Ships – Crosby, Stills, Nash And Young
7. No Amount Of Loving – The Butterfield Blues Band
8. Love March – The Butterfield Blues Band
9. Everything’s Gonna Be Alright – The Butterfield Blues Band
10. Get A Job – Sha Na Na
11. At The Hop – Sha Na Na
12. Get A Job (Reprise) – Sha Na Na
13. The Star Spangled Banner / Purple Haze / Woodstock Improvisation – Jimi Hendrix
14. Woodstock Farewell – Chip Monck

Parte 1

Parte 2

Yes – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 19/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

Yes é um grupo britânico de rock progressivo formado originalmente por Jon Anderson (vocal), Chris Squire (baixo), Tony Kaye (teclado), Peter Banks (guitarra) e Bill Bruford (bateria) em 1968. Apesar das muitas mudanças na formação, separações ocasionais e as diversas mudanças na música popular, o grupo permanece por mais de 30 anos e ainda retém grande prestígio internacional.

História
Primórdios

O Yes foi formado em 1968 pelo vocalista Jon Anderson e pelo baixista Chris Squire. Squire já havia gravado um single em 1964 como membro do The Warriors, uma banda formada pelo seu irmão, Tony, e posteriormente gravou alguns compactos pela Parlophone Records sob o pseudônimo Hans Christian. Durante pouco tempo também foi membro da banda Gun e da The Syn, uma banda de rock psicodélico que gravou alguns singles para a Deram Records. Após o fim do The Syn, Squire passou um ano dedicando-se a desenvolver sua técnica no baixo, altamente influenciado pelo baixista John Entwistle, do The Who. E então, em maio de 1968, ele conheceu Anderson em um clube noturno em Soho, chamado La Chasse, aonde Anderson estava trabalhando. Os dois possuíam um interesse em comum por harmonias vocais e começaram a trabalhar juntos no dia seguinte.

Squire estava em uma banda chamada Mabel Greer’s Toyshop com Clive Bailey, e Anderson começou a fazer vocais para a banda. O baterista Bill Bruford foi recrutado, respondendo um anúncio no Melody Maker, substituindo Bob Hagger. Fã de jazz, Bruford anteriormente havia tocado em três shows com o grupo de Blues Savoy Brown.

Bailey saiu do grupo, sendo substitúido na função de guitarrista por Peter Banks. Juntou-se ao grupo o tecladista Tony Kaye, ex-integrante de várias bandas sem sucesso, como Johnny Taylor’s Star Combo, The Federals e Jimmy Winston and His Reflections. Após a entrada de Kaye, a banda passou a se chamar Yes. O nome foi sugerido por Banks, com o raciocínio de que a palavra iria se destacar em pôsteres publicitários. De acordo com Anderson, o nome foi aceito por ser uma palavra positiva.

O primeiro show do Yes foi no East Mersey Youth Camp na Inglaterra no dia 4 de Agosto de 1968. Logo após, eles abriram para o Cream em seu show de despedida no Royal Albert Hall. No início, o grupo ganhou notoriedade por fazer versões drasticamente alteradas, mais extensas, de músicas de outros artistas, de modo similar ao que o Deep Purple fazia. A banda começou a chamar atenção, chegando a aparecer no programa de John Peel e tendo sido escolhida por Tony Wilson do Melody Maker como sendo uma das duas bandas mais “Provaveis a Serem Bem-Sucedidas” – a outra era o Led Zeppelin.

O primeiro álbum, auto-intitulado, foi lançado em 25 de Julho de 1969. Desde o início, o Yes já era uma banda de músicos excelentes com objetivos ambiciosos. Peter Banks imediatamente ganhou a atenção de fãs e critícos, e os vocais harmoniosos de Anderson e Squire se tornaram uma imediata marca registrada da sonoridade do Yes. O ponto de vista otimista e vagamente futurista do mundo contribuia para uma sonoridade melódica, virtuosa e entuasiasmada. Os destaques do álbum de estréia eram a versão jazzística de “I See You”, do The Byrds e a faixa de encerramento “Survival”, que demonstrava uma combinação de harmonias vocais com uma construção musical complexa.

Em 1970, o grupo levou suas ambições ao extremo, especialmente para esse período, ao gravar e lançar seu segundo disco, desta vez acompanhado por uma orquestra de 30 músicos. Time and a Word apresentava composições originais, com exceção de duas músicas, “No Opportunity Necessary, No Experience Needed”, de Richie Havens e “Everydays”, de Stephen Stills. A releitura épica da música de Havens também incluia trechos da música-tema do filme The Big Country. Apesar de ser musicalmente excepicional em termos de melodia e com uma execução potente das músicas, infelizmente, a orquestra (e o tecladista Tony Kaye) ofuscaram Banks e grande parte do trabalho vocal, deixando Time and a Word como um trabalho de banda mal-equilibrado. Antes do lançamento do disco, Peter Banks foi demitido, sendo substituído por Steve Howe, ex-integrante das bandas Tomorrow, The Syndicats e The In Crowd. A capa da versão americana do disco mostrava uma foto da banda com Howe, como se o recém-chegado guitarrista tivesse tocado no disco.

A Formação Clássica

As gravações do Yes durante a década de 70 ainda hoje são consideradas por muitos fãs como sendo o som clássico do Yes. Esses discos apresentam arranjos complexos com orientação de música erudita, marcações de tempo incomuns, musicalidade virtuosa, mudanças métricas dramáticas, dinâmicas e letras surrealistas de significados obscuros. O repertório comumente excedia a estrutura padrão das músicas pop de duração média de três minutos com suítes longas, algumas vezes com 20 minutos ou mais, fazendo da banda um dos carros-chefe do emergente rock progressivo. Versos com vocais alternavam-se com interlúdios instrumentais atmosféricos, passagens frenéticas e improvisos longos de guitarra, teclado e baixo. As marcas registradas deste período clássico são os vocais agudos e melódicos de Jon Anderson, os solos de guitarra e teclado de Steve Howe e Rick Wakeman, respectivamente, a bateria poliritmica de Bill Bruford (e, posteriormente, Alan White) e o baixo altamente melódico de Chris Squire, destacado pelo som de seu Rickenbacker RM1999.

Chris Squire foi um dos primeiros baixistas de rock a adaptar de forma bem-sucedida efeitos de guitarra para seu baixo, tais como tremolo, phasers e pedal wah-wah. A seção rítmica de Squire/Bruford e Squire/White é considerada por muitos como uma das melhores do rock daquele tempo.

Os dois primeiros discos do Yes uniam material original com covers de suas principais influências, incluindo Beatles, The Byrds e Simon & Garfunkel. A saída de Peter Banks em 1970 e a chegada de Steve Howe levou o Yes à novos pontos. O novo estilo emergente do grupo gerou seu próximo álbum, o bem-recebido pela critíca The Yes Album, que pela primeira vez consistia inteiramente de composições originais. Também foi o disco que iniciou a parceria com o produtor e engenheiro de som Eddie Offord, cuja habilidade com estúdio foi um elemento-chave na criação do som do Yes.

Em 1971, o tecladista Tony Kaye foi demitido, vindo a formar depois sua própria banda, Badger. Apesar de ser um tecladista talentoso que contribuia com passagens memoráveis em seu orgão Hammond (particularmente nas clássicas “Everydays” e “Yours is No Disgrace”), Kaye não conseguia se equiparar à guitarra de Howe no que diz respeito aos improvisos. Ele foi substituído por Rick Wakeman, de treinamento clássico, que havia acabado de sair do The Strawbs e era um músico de estúdio notável, tendo tocado com David Bowie e Lou Reed. Wakeman trouxe os teclados à um nível tão alto quanto o da guitarra, uma situação rara para um grupo de rock.

Como um solista, Wakeman provou-se um perfeito colega para Howe. Ele também trouxe duas adições vitais para a instrumentação do grupo – o Mellotron (que Kaye se mostrava pouco à vontade em usar) e o sintetizador Minimoog. Seu visual no palco também era marcante: Wakeman era rodeado por vários teclados, e possuia um cabelo loiro longo e uma capa brilhante, ganhando ares de mago. Apesar do grande impacto visual, sua aparência se tornou objeto de ridículo para alguns.

A primeira gravação dessa nova formação (Anderson, Bruford, Howe, Squire e Wakeman) foi uma interpretação dinâmica de dez minutos de duração de “America” de Paul Simon, originalmente do disco The Age of Atlantic, uma compilação de várias bandas da Atlantic Records. O excelente trabalho de orgão na música na verdade foi tocado por Bruford. Foi simultaneamente o fim de uma era – foi a última faixa não-original que a banda gravou – e o início de outra, demonstrando todos os elementos do novo Yes.

Com Wakeman à bordo, o Yes entrou naquele que muitos consideram como sendo seu perído mais fértil e bem-sucedido, gravando dois discos muito bem recebidos. Fragile (1972) constou no Top 10 na América, assim como Close to the Edge (1972). O Yes gozou de enorme sucesso comercial e de crítica por todo o mundo e passou a possuir um dos shows mais populares da época. Eles também se valeram dos tremendos avanços na tecnologia para som ao vivo que surgiam na época, e eles eram renomados pela alta qualidade de som e iluminação no palco. Os dois discos se tornaram grandes marcos na história do rock progressivo. Inclusive, muitos consideram o álbum Close to the Edge como sendo o ponto máximo de todo o genêro.

Fragile apresentava as capacidades individuais da banda apresentando uma composição individual de cada um: “We Have Heaven” de Anderson, “Mood for a Day” de Howe, “Cans and Brahns” de Wakeman, “Five per Cent for Nothing” de Bruford e “The Fish” de Squire. As outras quatro faixas do disco eram composições de toda a banda (destaque para a excelente “Roundabout”. Fragile também marcou o início de uma longa parceria com o artista Roger Dean, que desenvolveu o logotipo do grupo e as capas de seus álbuns, bem como os cenários de palco. Dean também trabalharia para outras bandas de rock progressivo, tornando suas ilustrações psicodélicas e ricas de detalhes uma característica marcante do rock progressivo.

Antes do lançamento de Close to the Edge, durante o auge do sucesso da banda, Bill Bruford anunciou que estava saindo da banda para se unir ao King Crimson. A atitude de Bruford causou espanto geral, pois Bruford estava deixando uma banda de grande sucesso comercial para se unir a uma banda de potencial comercial tão fraco – devido ao alto teor experimental da musicalidade do King Crimson. Ele foi substituido pelo ex-baterista da Plastic Ono Band, Alan White, um baterista de rock mais convencional e dono de um estilo contrastante com a sonoridade imaginativa e jazzistíca de Bruford. White, amigo de Anderson e Offord, já vinha sendo sondado pela banda semanas antes da saída de Bruford. Chris Squire o ameçou jogá-lo pela janela caso ele não aceitasse entrar na banda. Ele aceitou, permanecendo na banda por mais de trinta anos, contibuindo com mudanças de tempo ambiciosas e uma capacidade colaborativa muito proveitosa para o Yes. White conseguiu aprender o repertório altamente ambicioso da banda em apenas três dias antes de iniciar a turnê, que teve início logo após o lançamento de Close to the Edge, em Setembro de 1972. A turnê rendeu o álbum ao vivo triplo Yessongs’. O disco inclui duas faixas gravadas com Bruford: “Perpetual Change”, com um solo de bateria de Bruford, e “The Fish”.

Yessongs foi um projeto ambicioso e sem dúvidas uma aposta arriscada da gravadora Atlantic Records. Foi um dos primeiros discos triplos da história do rock, apresentando versões ao vivo de todo o material original dos três discos anteriores. Apresentada em uma das embalagens mais luxuosas da época, a arte de Roger Dean se espalhava através das dobras e dava continuidade aos conceitos orgânico-cósmicos dos dois discos anteriores. O disco foi outro sucesso de vendas e foi recentemente votado como um dos vinte melhores álbuns ao vivo de todos os tempos. Um vídeo da turnê, lançado sob o mesmo nome, apresentando filmagens (com Howe ganhando grande destaque por ser cunhado do editor) misturadas com efeitos visuais psicodélicos.

O próximo disco de estúdio, Tales from Topographic Oceans, marcou uma mudança drástica na sorte da banda, dividindo fãs e critícos. Apesar de composições longas do Yes já serem comuns nesse ponto – a faixa-título de Close to the Edge ocupava todo um lado do LP – as quatro faixas de duração média de 20 minutos que constituíam o disco duplo Tales from Topographic Ocans receberam opiniões mistas e deixou a sensação de que a banda estava começando a exagerar. Gravado após uma longa turnê, o disco foi descrito por Jon Anderson como sendo “o ponto de encontro de grandes idéias e pouca energia”. Rick Wakeman, em particular, desaprovou o disco, e até hoje fala mal dele. É dito que o filme This is Spinal Tap tirou inspiração deste disco e da sua respectiva turnê. Por outro lado, fanáticos por rock progressivo o consideram um dos melhores discos de rock progressivo de todos os tempos. Não importa que opiniões receba, a única coisa certa é que o disco deixa uma impressão extrema, seja ela positiva ou negativa.

Tensões internas entre Wakeman e o resto da banda, bem como a cada vez mais bem-sucedida carreira solo do tecladista, o levaram a sair da banda após a turnê de Tales em 1974. Dedicando-se por completo à sua carreira solo, ele obteve grande sucesso.

Mudanças

Wakeman foi substituído pelo suíço Patrick Moraz para gravar Relayer em 1974. A vasta diferença entre as contribuições de Moraz para o Yes entre as de Wakeman foi mais uma novidade do que um desapontamento, sendo Moraz um músico de electric-jazz, mais voltado para experimentações e improvisos. Mais uma vez, o disco apresentava uma faixa que tomava um lado inteiro do vinil, “The Gates of Delirium”, cuja seção “Soon” foi lançada como single, obtendo grande sucesso comercial no mundo todo, alcançando a primeira posição nas paradas espanholas e se tornando a primeira música representativa do Yes perante o grande público no Brasil. Após um longa turnê entre 1975 e 1976, cada membro lançou um álbum solo. Na mesma época, foi lançada a coletânea Yesterdays, contendo faixas dos dois primeiros discos e abrindo com “America”.

O grupo deu início a sessões para um novo disco. Os eventos nesse período têm relatos incertos, mas é fato que após negociações, Rick Wakeman voltou para a banda como músico de estúdio. A confusão vêm de Moraz estando ou não no disco, afirmando que merecia crédito por grande parte da música presente no álbum resultante. Howe inclusive afirmou que a banda “tentou remover o máximo do Patrick das canções o tanto quanto era possível”, o que dá a entender que ele de fato contribuiu para as sessões inciais. Todo o crédito dado à Moraz se resume a estar no topo da ambígua lista de agradecimento presente no encarte.

Em todo caso, após ficar impressionado com o novo material Wakeman resolveu voltar como membro permanente. Apesar da faixa “Awaken”, de 15 minutos, o álbum resultante, Going for the One, é basicamente composto por músicas curtas, icnluindo “Wonderous Stories”, lançada como single em 1977. Este disco e o próximo, Tormato (1978), feito com a mesma formação, obtiveram sucesso na árdua tarefa de passarem com alguma notoriedade durante o auge do movimento punk rock na Inglaterra, quando o Yes era muito critícado pela imprensa musical por ser um dos maiores expoentes dos excessos do rock progressivo feitos no início da década de 70. Ironicamente, o Yes foi o que talvez melhor atravessou esse período, entre todas as bandas daquela época.

Enquanto Going for the One obteve sucesso favorável, Tormato foi outro disco que gerou discordância entre os fãs, com muitos acreditando que metade do disco é simplesmente para ocupar espaço, enquanto outros afirmam que isso foi uma progressão lógica a partir de Going for the One, que iniciava uma sonoridade mais pop, menos sofisticada. Fãs do som clássico do Yes ficaram mais contentes em relação à última faixa, a sinfônica e jazzistíca “On the Silent Wings of Freedom”, guiada pela batida energética de White e o baixo harmonioso de Squire. Os membros da banda afirmam que eles não estavam exatamente certos em relação ao material presente no disco, e, virtualmente, ninguém gostou da arte da capa. No entanto, apesar das critícas internas ou externas em relação a esse disco, a banda obteve sucesso com turnês entre 1978 e 1979.

Em Outubro de 1979, o Yes foi a Paris com o produtor Roy Thomas Baker, que ainda tinha prestígio devido ao seu trabalho com o disco de estréia do The Cars.

Existem várias afirmações dos integrantes e rumores em relação ao fato de que as sessões não serviram para produzir nenhum álbum. Howe, Squire e White disseram em 1980 que nenhum deles gostaram das músicas que Anderson apresentou para a banda, afirmando que elas eram muito leves, sem o peso que o trio sentia que estava gerando durante seu tempo juntos. Gravações clandestinas dessas sessões sugerem que essas afirmações estavam corretas, sendo que algumas apareceram em um disco solo de Anderson Song of Seven. Em Dezembro, as sessões se encerraram quando Alan White quebrou o pé. Existe fortes especulações que afirmam que Anderson e os membros remanescentes da banda tiveram uma discussão sobre problemas financeiros, com argumentos sobre gastos individuais excessivos de fundos da banda como um todo. Por volta de Maio de 1980, a situação chegou a tal ponto que fez com que Anderson deixasse o grupo, já que não houve nenhum entendimento sobre a direção musical e remunerações financeiras. Após a saída de Anderson, Wakeman também deixou o grupo, acreditando que o Yes não poderia continuar sem a voz de Anderson, um dos elementos-chave da sonoridade do Yes.

O empresário Brian Lane sugeriu que Squire convidasse os dois integrantes que compunham o The Buggles, Geoffrey Downes (teclados) e Trevor Horn (vocal) – que vinham tendo grande sucesso comercial com seu disco The Age of Plastic, impulsionado pelo single “Video Killed Radio Star” – para ajudar o Yes a gravar um novo disco. Inicialmente, a idéia era que Downes e Horn ajudassem a compor novo material – eles já tinham uma música chamada “We Can Fly from Here”, escrita já tendo o Yes em mente. Logo, Howe, Squire e White confessaram que estavam sem vocalista e tecladista. Para surpresa de Downes e Horn, eles foram convidados para se unir ao Yes como membros fixos. Eles aceitaram, e gravaram o álbum Drama, em 1980. Drama possuía um som mais pesado do que o que era feito pelo Yes anteriormente, começando com “Machine Messiah”, uma das primeiras músicas a demonstrar uma sonoridade que mais tarde seria definida como metal progressivo. O disco foi muito bem recebido pelos fãs, mas muitos sentiram a falta das letras e vocais de Anderson. A capa interna do disco mostrava um estilo casa-do-horror na capa e no desing, uma anomalia que deixou alguns fãs perplexos. O álbum em si foi bem aceito, recuperando o peso que não constava em uma gravação do Yes desde The Yes Album. A banda saiu em turnê pela América em Setemro de 1980. O consenso geral era de que Horn cantava muito bem o novo material (mesmo não tendo nenhuma experiência em cantar diante de uma platéia das proporções que assistiam um show do Yes) mas decepcionava ao tentar reproduzir os clássicos do Yes. Quando a banda voltou à Inglaterra no final de 1980, a imprensa inglesa disparou grandes critícas sobre Horn e Yes.

Depois da turnê de Drama, o Yes deu uma pausa para repensar seu futuro. Trevor Horn deixou a banda para se dedicar à produção. Alan White e Chris Squire deixaram o Yes, mas continuaram trabalhando juntos começando uma série de sessões com o ex-guitarrista do Led Zeppelin Jimmy Page. O trio se juntou como XYZ, uma referência a “ex-Yes-e-Zeppelin”, mas nada saiu dessas sessões quando o ex-vocalista do Zeppelin Robert Plant não demonstrou interesse pelo projeto. O XYZ produziu algumas fitas demo, e alguns elementos das músicas criadas nessa produção apareceram em músicas posteriores do Yes (mais notavelmente “Mind Drive” de Keys to Ascension 2 e “Can You Imagine” de Magnification). Em 1981, Squire e White lançaram uma parceira na forma de single, “Run With The Fox”. Downes e Howe, que eram os únicos membros dispostos à continuar no Yes na época, optaram por não continuar com a banda. Ao invés disso, eles formaram a banda Asia, junto com John Wetton (ex-King Crimson) no baixo e no vocal e Carl Palmer, do Emerson, Lake & Palmer na bateria.

O Retorno Acidental

Em 1982, passado mais de um ano depois do fim do Yes, Chris Squire e Alan White formaram um novo grupo, chamado Cinema, junto com o guitarrista Trevor Rabin (do Rabbit). O primeiro tecladista do Yes, Tony Kaye, foi chamado de volta para participar, já que Squire acreditava que a técnica mais direta de Kaye iria cair bem para a banda. Rabin, que já era um artista solo com três discos lançados, ajudou a compor “Owner of a Lonely Heart”. Seu direcionamento pop deu a música um apelo comercial o suficiente para fazê-la ter destaque na era MTV, mas ainda assim, ela trazia alguns aspectos do estilo original do Yes – em especial, as harmonias vocais. Originalmente, os vocais seriam de Rabin e Squire, mas no começo de 1983, Chris Squire tocou para Jon Anderson algumas das músicas do Cinema em uma festa em Los Angeles. Impressionado por músicas como “Leave It”, Anderson aceitou o convite de Squire de cantar nesse novo projeto, resultando numa reformulação “acidental” do Yes. Muitos fãs chamam essa formação de “Yes do Oeste”, devido à residência da banda em Los Angeles e sua nova sonoridade, tipíca de bandas pop americanas. Essa versão do Yes também é chamada de “Generators”, originado do nome do segundo disco dessa formação, Big Generator. A nova sonoridade desagradou muitos fãs, por abrir mão de suas caracteristícas originais para se valer de músicas próprias para se tocarem em rádios. No entanto, deve ser notado que muitos fãs do Yes gostam dos dois períodos.

O primeiro disco da banda desde a reunião, 90125 (produzido pelo ex-vocalista Trevor Horn), apresentou uma mudança radical em relação a seu som original.

Era mais visceral, com efeitos eletrônicos modernos. 90125 foi o disco do Yes mais bem-sucedido, eventualmente vendendo mais de seis milhões de cópias e assegurando um longo tempo de durabilidade para o Yes, com uma turnê que durou mais de um ano. A música “Owner of a Lonely Heart” foi um sucesso em várias paradas (e sampleada inumeras vezes desde então), inclusive no Brasil, onde até hoje é talvez a música mais famosa da banda. O tecladista que aparece no videoclipe da música é Eddie Jobson. Yes também obteve sucesso com “Leave It” e “It Can Happen”, e ganhou um Grammy por Melhor Instrumental de Rock (“Cinema”, uma jam-session curta e complexa), sugerindo que o grupo não abandonou por completo sua musicalidade em troca de sucesso comercial, como alguns fãs alegam. O álbum de sucesso também gerou um vídeo (9012Live) e um disco ao vivo (9012Live: The Solos) que incluia peças solo de Anderson, Rabin, Squire e Kaye, além de uma jam entre Squire e White.

Em 1986, o Yes começou a gravar Big Generator. Infelizmente, problemas internos (principalmente entre Squire e Anderson) ameaçavam o encerramento do processo de gravação, e Trevor Rabin acabou finalizando sua produção. Apesar de Big Generator (1987) não ter sido tão bem-sucedido quanto 90125, ainda assim conseguiu vender dois milhões de cópias. Alguns fãs do Yes consideram Big Generator como sendo mais fiel ao som original do Yes do que seu predecessor, graças a um esforço concentrativo de gravar músicas mais longas como “I’m Running” do que as faixas mais pop. “Love Will Find a Way” se saiu moderadamente bem nas paradas, juntamente com “Rhythm of Love”, quase passando do Top 40. A turnê de 1988 terminou com um show no Madison Square Garden, como parte das comemorações de 40 anos da Atlantic Records, mas deixou os membros do Yes exaustos e frustrados uns com os outros.

União e Reunião

Jon Anderson começou a demonstrar sinais de cansaço do direcionamento do novo Yes. Ele queria que a banda voltasse a seu som clássico. Após a turnê de 1988, Anderson, assegurando que jamais ficaria na banda pelo dinheiro, começou a trabalhar com os ex-membros do Yes Rick Wakeman, Steve Howe e Bill Bruford. Alguns na banda (em particular, Bill Bruford) queriam se distanciar do nome “Yes”. Além disso, os ex-membros do Yes não poderiam usar o nome da banda, já que Squire, White, Kaye, Rabin e, irônicamente, Anderson, estavam mantendo os direitos sobre ele, desde o contrato de 90125. Subsequentemente, o novo grupo se chamou Anderson Bruford Wakeman Howe, ou simplesmente ABWH. O projeto incluía Tony Levin no baixo, trazido na banda por Bruford, com quem havia trabalhado no King Crimson. Com um apelo musical atraente para fãs antigos e novos do Yes, o álbum-intitulado foi lançado em 1989, com um sucesso moderado que chegou a render um disco de ouro, impulsionado pelo vídeo de “Brother of Mine”, sucesso na MTV. No entanto, eles não gravaram tudo em conjunto como faziam nos anos 70, e, ao invés disso, tiveram suas partes gravadas individualmente para depois serem organizadas por Anderson. Howe disse à imprensa que estava descontente com a mixagem de suas guitarras no disco (uma versão de “Fist of Fire” com maior destaque para as guitarras de Howe viria a aparecer no box set In a Word, lançado em 2001). De acordo com Bruford, o crédito de quatro nomes não significava que foi este o modo como o processo de composição ocorreu. Depois do lançamento do álbum, batalhas legais (iniciadas pela Atlantic Records) complicaram o uso do título da turnê do ABWH, An Evening of Yes Music Plus, gravação ao vivo na qual tinha Jeff Berlin substituindo Levin, forçado a ficar em reposuo durante duas semanas devido a uma doença. Além disso, os shows tinham músicos extras: Julian Colbeck nos teclados e Milton McDonald nas guitarras. A turnê alternava músicas do ABWH com clássicos do Yes, e cada noite abria com pequenos solos de cada um dos quatro membros do Yes.

Enquanto isso, o Yes estava trabalhando no seu novo trabalho. A banda começou a fazer testes com um novo vocalista, trabalhando com o ex-Supertramp Roger Hodgson e com o letrista Billy Sherwood, do World Trade. Hodgson gostou da estadia, mas preferiu não fazer parte da banda. A gravadora do ABWH, Arista Records, encorajou o quarteto à procurar compositores, e Trevor Rabin demonstrou interesse, enviando-lhes uma demo. A Arista percebeu o potencial comercial que teria uma reunião do Yes. No decorrer do começo do ano 1991, telefonemas foram feitos, advogados empregados, e propostas feitas, resultando no Yes do Oeste se unindo ao ABWH para fazer o álbum Union. Cada grupo fez suas próprias canções, com Jon Anderson cantando em todas as faixas. Chris Squire fez vocais de apoio para algumas das faixas do ABWH. As partes de baixo de todo o disco foram feitas por Tony Levin. Uma turnê mundial reuniu todos os oito membros da banda no mesmo palco, em uma formação “Mega-Yes”, de pouca longevidade, que consistia em Anderson, Squire, Howe, Rabin, Kaye, Wakeman, Bruford e White, mas o disco em si provou-se ser menos do que a soma das duas partes. Claramente uma combinação de duas gravações distinas, nenhuma das músicas apresentava os oito membros simultaneamente. Dois terços eram na verdade composições do ABWH, enquanto Rabin e Squire contribuíram para quatro músicas (contando com uma colaboração de Billy Sherwood). Praticamente toda a banda declarou publicamente seu descontentamento do produto final, graças ao envolvimento secreto do produtor Jonathan Elias com músicos de estúdio depois das sessões iniciais; Bruford perdeu praticamente toda sua participação no disco, e Wakeman não foi capaz de reconhecer nenhuma de suas partes de teclado na edição final. A turnê do projeto apresentava músicas de toda a carreira da banda, e foi uma das turnês mais ambiciosas realizadas entre 1991 e 1992.

A Década de 90

Quando a turnê acabou em 1992, Bill Bruford e Steve Howe gravaram um disco com reinterpretações intrumentais de músicas do Yes através de uma orquesta, com vocais de Jon Anderson em duas músicas. Chamado Thy Symphony Music of Yes, o disco oferecia novas versões de clássicos do Yes e foi produzido pela lenda do rock progressivo Alan Parsons. Depois do lançamento do álbum, Bruford preferiu se afastar de possíveis novos projetos do Yes. Jon Anderson começou a escrever com Howe e Rabin, separadamente, mas eventualmente Howe não foi convidado a participar do próximo disco pela gravadora Victory records, que propôs à Rabin que a formação de 90125 voltasse. Rabin propôs que Wakeman estivesse incluído. Em 1993, Wakeman teve que recusar o convite, tendo mais tarde expressado seu arrependimento de não ter tocado junto com Rabin (Rabin declarou o mesmo) – exceto sob o projeto Union, apesar de que Rabin fez uma participação especial em um álbum solo de Wakeman, Return to the Centre of the Earth (1999). O Yes voltou com sua formação famosa da década de 80, contando com Anderson, Squire, Rabin, Kaye e White. Em 1994, o Yes lançou Talk, um dos discos menos vendidos da banda. Com fraca divulgação por parte da gravadora e das rádios americanas, “The Calling” passou quase despercebida, mesmo sendo um dos singles do Yes com mais potencial de sucesso desde “Owner of a Lonely Heart”. David Letterman ouviu a música em seu carro e imediatamente pôs-se a procurar essa “nova banda”, com a intenção de chamá-los para seu programa, o que de fato aconteceu, no dia 20 de Junho de 1994, aonde tocaram “Walls”. A colaboração de Jon Anderson e Trevor Rabin resultou numa fusão memorável do “novo” e do “velho” Yes. Alguns frutos do trabalho da banda com Roger Hodgson também apareceram no álbum. Na turnê de 1994, o guitarrista e vocalista Billy Sherwood, que teve parte na composição de “The More We Live”, do Union, junto com Squire, se uniu à banda. Perto do fim de 1995, Tony Kaye e Trevor Rabin saíram da banda, com Rabin partindo para uma muito bem-sucedida carreira compondo trilhas sonoras e Kaye se aposentando da carreira musical (apesar de ter tocado orgão Hammond em várias faixas do projeto de Billy Sherwood Return To The Dark Side of the Moon, em 2006).

Provando ser verdadeiro o provérbio “nunca diga nunca”, a banda surpreendeu e emocionou fãs ao reformar a formação clássica dos anos 70, composta de Anderson, Squire, White, Howe e Wakeman para três shows na cidade de San Luis Obispo, na Califórnia, em 1996. As gravações renderam os discos ao vivo Keys to Ascension e Keys to Ascension 2. A parte 2, em particular, contava com 48 minutos de novas músicas. A banda ficou desapontada pelo novo material não ter sido lançado como um disco de estúdio separado, que teria o título Know. As novas faixas foram lançadas posteriormente como Keystudio. Wakeman saiu do grupo antes do lançamento de Keys to Ascension 2 depois que uma turnê do Yes foi planejada sem sua decisão ser consultada, e também pela sua frustração sobre a decisão de enterrar as faixas de Keystudio no meio de álbuns ao vivo redundantes.

Billy Sherwood imediatamente se uniu ao Yes, na guitarra e nos teclados. Open Your Eyes, lançado em 1997, originalmente seria um projeto colaborativo do duo Conspiracy, composto por Sherwood e Squire – ambos são amigos próximos. No entanto, para suprir a necessidade de um novo disco de estúdio por essa formação, foi decidido que seria um álbum do Yes. A turnê subseqüente apresentava poucas faixas do novo disco, e se concentrava mais no material clássico do Yes, como “Siberian Khatru”. O retorno de Steve Howe para o Yes ao vivo, juntamente com uma maior enfâse no Yes dos anos 70, foi considerado um projeto empolgante por muitos fãs. A turnê também contou com os teclados do russo Igor Khoroshev, que tocou em algumas faixas de Open Your Eyes. Igor foi efetivado como membro fixo da banda para o próximo disco, The Ladder. Muitos fãs consideram The Ladder como o retorno definitivo ao som clássico do Yes, principalmente devido aos teclados de Khoroshev, cujas performances ao vivo conseguiam reproduzir as partes de teclado de Wakeman com fidelidade maior, talvez, do que o próprio Wakeman. O trabalho de Sherwood ao vivo se limitava a fazer vocais e guitarras de apoio, com alguns momentos de destaque reproduzindo solos das músicas da era de Trevor Rabin. Howe se recusava a tocar os solos de Rabin, alegando que seu estilo não se encaixava naqueles tipos de solo (Howe nunca demonstrou simpatia por Rabin como membro do Yes, dizendo que Rabin simplicava suas partes de guitarra e que foi o responsável por ter “destruído” o som da banda, principalmente em Talk; Rabin, obviamente, discorda). A turnê de 1999 resultou em um DVD da performance nos House of Blues de Los Angeles. “Homeworld (The Ladder)”, música de The Ladder, foi escrita para o jogo de computador de estratégia em tempo real Homeworld, da Relic Entertainment, e foi usado como tema nos créditos do jogo.

Yes no Século 21

Sherwood voltou às suas atividades originais na banda na turnê Masterworks, em 2000, que apresentava um revival da música “The Gates of Delirium” (do disco Relayer). Khoroshev foi demitido depois da turnê devido várias controvérsiais devido à sua conduta nos bastidores incluindo uma acusão de abuso sexual, pouco antes do lançamento de Magnification, em 2001, primeiro disco com orquestra desde Time and a Word. Esse é o único álbum do Yes a não conter um tecladista fixo. A banda não só foi auxiliada por uma orquestra de 60 músicos, como também teve partes especificas e alguns arranjos escritos pelo compositor de trilhas-sonoras Larry Groupe para serem tocados pela orquestra, soando como se a orquestra fosse um membro permanente. Para a turnê foi contratado o tecladista Tom Brislin.

Em 20 de Abril de 2002, Rick Wakeman voltou para a banda, participando de uma turnê mundial. A formação clássica teve uma revitalização na sua presença no consciente popoular, especialmente durante a celebração de seu 35º aniversário. Graças à uma votação online de músicas populares para serem tocadas, a banda adicionou “South Side of the Sky” em seu set list, um fato surpreendente, já que ela raramente era tocada, mesmo nas turnês de Fragile.

Essa revitalização mostrou-se durante um show no Madison Square Garden, em Nova York. Perto do fim da música “And You And I”, aonde Howe termina de tocar sua parte na lap steel guitar, antes das últimas notas acústicas, a banda foi entusiasticamente ovacionada por vários minutos. A interrupção foi tamanha que quando findaram, os roadies já haviam retirado a guitarra de Howe – Wakeman teve então que tocar a última parte com Anderson cantando.

Foram momentos de muita emoção que evocaram os áureos anos 70 onde apresentações desta magnitude eram feitas diariamente. Mais um record proporcionado pelo MSG ao Yes que, durante a turnê do disco Drama, nos anos 80, teve sua capacidade máxima (20.000 pessoas) alcançada nas 3 noites em que ali se apresentou.

Nos últimos shows da turnê, a banda tocou algumas músicas de forma acústica na última metade do show, depois de fazer um show ao vivo via satélite como parte da estréia do documentário Yesspeak.

Em 2005, o DJ Max Graham remixou “Owner of a Lonely Heart”, creditada como Max Graham Vs. Yes. A música alcançou o Top 10 britânico.

Desde 2005, o Yes está em um hiato indefinido; membros da banda estão envolvidos em vários projetos solo. Alan White formou uma nova banda, White, com Geoff Downes; o disco de estréia, auto-intitulado, foi lançado no dia 18 de Abril de 2006. Chris Squire se uniu a uma versão reformulada do The Syn em 2004.

Foram feitos planos para uma turnê reunindo White, The Syn e Steve Howe para tocar músicas do Drama, foi cancelada devido a problemas com passaporte para os músicos ingleses após os atentados de Julho de 2005 em Londres. Alan White saiu em turnê em 2006. No dia 16 de Maio do mesmo ano, Squire anunciou que saiu do The Syn. No mesmo dia, os membros originais do Asia, incluindo Howe e Downes, anunciaram que se reuniriam para uma turnê de 25º aniversário, com início em Setembro.

Em Outubro de 2005, Jon Anderson disse que seria pouco provável que o Yes saísse em turnê em 2006, mas um disco de estúdio no início de 2007 seria a hipótese mais considerada dentre os projetos da banda.

Anderson e Wakeman fizeram uma turnê juntos em Outubro de 2006, e o setlist da maioria dos shows incluía material do Yes, ao lado de músicas das carreiras solo de ambos, e pelo menos uma canção da época de Anderson Bruford Wakeman Howe.

Em Fevereiro de 2007, Jon Anderson concedeu uma entrevista para uma rádio na Filadélfia, dizendo que o Yes provavelmente vai se reunir em 2008 para uma turnê para comemorar o 40º aniversário da banda, e que Roger Dean estará criando as projeções artistícas para os shows.

Em Março de 2.008 o grupo anunciou para julho o início da turnê mundial ” Close to the edge and back ” , comemorativa dos 40 anos ( Jon Anderson declarou em recente entrevista que se trata de 41 anos ) com show inicial no Canadá, passando a seguir pelos Estados Unidos. Fariam parte Anderson, Squire, Howe, White e, Oliver Wakeman, filho de Rick, nos teclados ( em seu site, Rick Wakeman informou que, por problemas de saúde, não esta em condições de fazer grandes turnês ).Oliver já tocou no passado com Howe, nos discos ” The 3 ages of magick ” ( 2.001 ) e ” Spectrum ” ( 2.005 ), fato este que facilitou sua indicação para os teclados da banda. Apesar do anúncio, a turnê foi cancelada recentemente, no início de Junho de 2008. O motivo seria a saúde frágil do vocalista Jon Anderson, internado em Maio com problemas respiratórios, o que, por conselhos médicos deverão manter Anderson em repouso pelos próximos seis meses sob o risco de agravamento de seu estado. “Gostaria que todos soubessem que estou muito decepcionado com essa reviravolta”, disse o vocalista em uma mensagem aos fãs e à imprensa. “Eu estava ansioso para celebrar nossa música com a família incrível que são os fãs do Yes, mas como todos sabemos a saúde deve vir em primeiro lugar”, conclui. Entretanto para surpresa de muitos fãs, os demais integrantes do Yes decidiram no início de setembro de 2008 tocar adiante a turnê e contrataram o vocalista Benoit David, da banda de rock progressivo Mistery. Esse fato não agradou a Jon Anderson que afirmou ao site MelodicRock que “se sentia decepcionado e desapontado com isso. Com a exceção de Alan (White, baterista), nenhum deles entrou em contato comigo desde que tive o problema de saúde. Fico desapontado também por eles não esperarem a minha recuperação até 2009. Esta não é uma turnê do Yes”, afirmou o músico. Após anunciar as novas datas e locais (EUA e México ) para o início de 2.009, o grupo cancelou todas as apresentações devido a uma cirurgia de urgência que foi feita em Squire ( perna direita ) e, por recomendação médica, deverá permanecer em repouso por algumas semanas . As novas datas serão divulgadas em breve.

Integrantes

Chris Squire
Steve Howe
Alan White
Benoît David
Oliver Wakeman

Texto: Wikipédia

DISCOS

Yes (1969)

1. Beyond And Before
2. I See You
3. Yesterday And Today
4. Looking Around
5. Harold Land
6. Every Little Thing
7. Sweetness
8. Survival

Time And A Word (1970)

1. No Opportunity Necessary, No Experience Needed
2. Then
3. Everydays
4. Sweet Dreams
5. The Prophet
6. Clear Days
7. Astral Traveler
8. Time And A Word

The Yes Album (1971)

1. Yours Is No Disgrace
2. The Clap
3. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
4. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
5. A Venture
6. Perpetual Change
7. Your Move (Single Version)
8. Starship Trooper / Life Seeker (Single Version)
9. Clap (Single Version)

Fragile (1972)

1. Roundabout
2. Cans And Brahms
3. We Have Heaven
4. South Side Of The Sky
5. Five Per Cent For Nothing
6. Long Distance Runaround
7.The Fish (Schindleria Praematurus)
8. Mood For A Day
9. Heart Of The Sunrise

Bonus Track
10. America
11. Roundabout

Close To The Edge (1972)

1. Close To The Edge
2. And You And I
3. Siberian Khatru
4. America (Single Version)
5. Total Mass Retain (Single Version)
6. And You And I (Alternate Version)
7. Siberia (Studio Run – Through Of Siberian Khatru)

Yessongs (1973)

CD 1

1. Opening (Excerpt From ‘Firebird Suite)
2. Siberian Khatru
3. Heart Of The Sunrise
4. Perpetual Change
5. And You And I
6. Mood For A Day
7. Excerpts From ”The Six Wives Of Henry III”
8. Roundabout

CD 1

CD 2

1. Your Move / All Good People
2. Long Distance Runaround / The Fish
3. Close To The Edge
4. Yours Is No Disgrace
5. Starship Trooper

CD 2

Tales From Topographic Oceans (1973)

CD 1

1.The Revealing Science Of God (Dance Of The Dawn)
2. The Remembering (High The Memory)

CD 2

1. The Ancient (Giants Under The Sun)
2. Ritual (Nous Sommes Du Soleil)

Relayer (1974)

1. The Gates Of Delirium
2. Sound Chaser
3. To Be Over
4. Soon (Single Version)
5. Sound Chaser (Single Version)
6. The Gates Of Delirium (Studio Run-Through)

Going For The One (1977)

1. Going For The One
2. Turn Of The Century
3. Parallels
4. Wonderous Stories
5. Awaken

Tormato (1978)

1. Future Times / Rejoice
2. Don’t Kill The Whale
3. Madrigal
4. Release, Release
5. Arriving UFO
6. Circus Of Heaven
7. Onward
8. On The Silent Wings Of Freedom

Bonus Track
9. Abilene
10. Money
11. Picasso
12. Some Are Born
13. You Can Be Saved
14. High
15. Days (Demo)
16. Countryside
17. Everybody’s Song (Early Demo Of “Does It Really Happen”)
18. Onward (Hidden Track)

Drama (1980)

1. Machine Messiah
2. White Car
3. Does It Really Happen?
4. Into The Lens
5. Run Through The Light
6. Tempus Fugit

Yesshows (1980)

CD 1

1. Parallels
2. Time And A Word
3. Going For The One
4. The Gates Of Delirium

CD 2

1. Don’t Kill The Whale
2. Ritual (Nous Sommes Du Soleil) (Pt. 1)
3. Ritual (Nous Sommes Du Soleil) (Pt. 2)
4. Wonderous Stories

90125 (1983)

1. Owner Of A Lonely Heart
2. Hold On
3. It Can Happen
4. Changes
5. Cinema
6. Leave It
7. Our Song
8. City Of Love
9. Hearts

9012 Live - The Solos (1985)

1. Hold On
2. Si
3. Solly’s Beard
4. Soon
5. Changes
6. Amazing Grace
7. Whitefish

Big Generator (1987)

1. Rhythm Of Love
2. Big Generator
3. Shoot High Aim Low
4. Almost Like Love
5.Love Will Find A Way
6. Final Eyes
7. I’m Running
8. Holy Lamb (Song For Harmonic Convergence)

Union (1991)

1. I Would Have Waited Forever
2. Shock To The System
3. Masquerade
4. Lift Me Up
5. Without Hope You Cannot Start The Day
6. Saving My Heart
7. Miracle Of Life
8. Silent Talking
9. More We Live / Let Go
10. Angkor Wat
11. Dangerous (Look In The Light Of What You’re Searching For)
12. Holding On
13. Evensong
14. Take The Water To The Mountain
15. Give & Take [*]

Yesyears (1991)

CD 1

1. Something’s Coming (Originally Released As The B-Side To Sweetness In July 1969)
2. Survival
3. Every Little Thing
4. Then (A BBC Recording On 19 January 1970)
5. Everydays (A BBC Recording On 4 August 1969)
6. Sweet Dreams
7. No Opportunity Necessary, No Experience Needed
8. Time And A Word
9. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
10. Yours Is No Disgrace
11. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
12. Long Distance Runaround
13. The Fish (Schindleria Praematurus)

CD 1

CD 2

1. Roundabout
2. Heart Of The Sunrise
3. America (Single Edit)
4. Close To The Edge: The Solid Time Of Change / Total Mass Retain / I Get Up I Get Down / Seasons Of Man
5. Ritual (Nous Sommes Du Soleil)
6. Sound Chaser

CD 2

CD 3

1. Soon (Single Edit)
2. Amazing Grace (Previously Unreleased And Recorded In November 1976)
3. Vevey, Part One (Previously Unreleased And Recorded In February 1978)
4. Wondrous Stories
5. Awaken
6. Montreux’s Theme (Previously Unreleased And Recorded During Going For The One’s Sessions)
7. Vevey, Part Two (Previously Unreleased And Recorded In February 1978)
8. Going For The One
9. Money (Previously Unreleased And Recorded During Tormato’s Sessions, With A Spoken Overdub By Rick Wakeman)
10. Abilene (Originally Released As The B-Side Of Don’t Kill The Whale In August 1978)
11. Don’t Kill The Whale
12. On The Silent Wings Of Freedom
13. Does It Really Happen?
14. Tempus Fugit
15. Run With The Fox (A Single Release In December 1981 Credited To Chris Squire And Alan White)
16. I’m Down (Recorded Live In New Jersey On 17 July 1976)

CD 3

CD 4

1. Make It Easy (Previously Unreleased)
2. It Can Happen (Previously Unreleased Early Version, Recorded By Cinema Prior To Jon Anderson Joining The Sessions)
3. Owner Of A Lonely Heart
4. Hold On
5. Shoot High, Aim Low
6. Rhythm Of Love
7. Love Will Find A Way
8. Changes (Live In Houston, Texas, 1988)
9. And You And I: Cord of Life / Eclipse / The Preacher the Teacher / Apocalypse (Live In Houston, Texas, 1988)
10. Heart Of The Sunrise (Live In Houston, Texas, 1988)
11. Love Conquers All (An Outtake From Union, Recorded In Early 1991)

CD 4

Yesstory (1992)

CD 1

1. Something’s Coming (Originally Released As The B-Side To “Sweetness” In July 1969)
2. Survival
3. Every Little Thing
4. No Opportunity Necessary, No Experience Needed
5. Time And A Word
6. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
7. Yours Is No Disgrace
8. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
9. Roundabout
10. Heart Of The Sunrise

CD 1

CD 2

1. Long Distance Runaround
2. America (Single Edit)
3. Close To The Edge: The Solid Time Of Change / Total Mass Retain / I Get Up I Get Down / Seasons Of Man
4. Ritual (Nous Sommes Du Soleil)
5. Soon (Single Edit)
6. Wonderous Stories
7. Going For The One
8. Don’t Kill The Whale
9. Owner Of A Lonely Heart
10. Rhythm Of Love

CD 2

Highlights: The Very Best Of Yes (1993)

1. Survival
2. Time And A Word
3. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
4. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
5. Roundabout
6. Long Distance Runaround
7. Soon (Single Edit)
8. Wonderous Stories
9. Going For The One
10. Owner Of A Lonely Heart
11. Leave It
12. Rhythm Of Love

Talk (1994)

1. The Calling
2. I Am Waiting
3. Real Love
4. State Of Play
5. Walls
6. Where Will You Be
7. Endless Dream: Silent Spring (Instrumental)
8. The Calling (Special)

An Evening Of Yes Music Plus (Live) (1994)

CD 1

1. Benjamin Britten’s Young Person’ Guide To The Orchestra
2. Time And A Word
3. The Clap / Mood For A Day
4. Gone But Not Forgotten
5. Long Distance Runaround
6. Birthright
7. And You And I

CD 1

CD 2

1. Close To The Edge
2. Themes
3. Brother Of Mine
4. Heart Of The Sunrise
5. Order Of The Universe
6. Roundabout

CD 2

Keys To Ascension (1997)

CD 1

1. Siberian Khatru
2. The Revealing Science Of God (Dance Of The Dawn)
3. America
4. Onward (Features A New Intro By Steve Howe Entitled “Unity”)
5. Awaken

CD 1

CD 2

1. Roundabout
2. Starship Trooper
3. Be The One: The One / Humankind / Skates
4. That, That Is: Togetherness / Crossfire / The Giving Things / That Is / All In All / How Did Heaven Begin? / Agree to Agree

CD 2

Keys To Ascension 2 (1997)

CD 1

1. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
2. Going For The One
3. Time And A Word
4. Close To The Edge: The Solid Time Of Change / Total Mass Retain / I Get Up I Get Down / Seasons Of Man
5. Turn Of Century
6. And You And I: Cord Of Life / Eclipse / The Preacher The Teacher / Apocalypse

CD 1

CD 2

1. Mind Drive
2. Foot Prints
3. Bring Me To The Power
4. Children Of Light: Children Of Light / Lifeline
5. Sign Language

CD 2

Open Your Eyes (1997)

1. New State Of Mind
2. Open Your Eyes
3. Universal Garden
4. No Way We Can Lose
5. Fortune Seller
6. Man In The Moon
7. Wonderlove
8. From The Balcony
9. Love Shine
10. Somehow, Someday
11. Solution

Something's Coming: The BBC Recordings 1969-1970 (1997)

CD 1

1. Something’s Coming
2. Everydays
3. Sweetness
4. Dear Father
5. Every Little Thing
6. Looking Around
7. Sweet Dreams
8. Then
9. No Opportunity Necessary, No Experience Needed

CD 1

CD 2

1. Astral Traveller
2. Then
3. Every Little Thing
4. Everydays
5. For Everyone
6. Sweetness
7. Something’s Coming
8. Sweet Dreams
9. Beyond & Before

CD 2

Yes, Friends And Relatives (1998)

CD 1

1. Owner Of A Lonely Heart
2. Ice
3. Red And White
4. Zone Of O
5. Up North
6. The Pyramids Of Egypt
7. Roundabout
8. Sync Or Swim
9. Arthur
10. Close To The Edge: The Solid Time Of Change / Total Mass Retain / I Get Up, I Get Down / Seasons Of Man

CD 1

CD 2

1. No Expense Spared
2. Say
3. Walk Don’t Run
4. Tron Thomi
5. 10 Million
6. Excerpts From Tales From Topographic Oceans: The Revealing Science Of God: Dance Of The Dawn / The Remembering: High The Memory / The Ancient: Giants Under The Sun / Ritual
7. The More You Know
8. Journey
9. America

CD 2

The Ladder (1999)

1. Homeworld (The Ladder)
2. It Will Be A Good Day (The River)
3. Lightning Strikes
4. Can I?
5. Face To Face
6. If Only You Knew
7. To Be Alive (Hep Yadda)
8. Finally
9. The Messenger
10. New Language

House Of Yes: Live From House Of Blues (2000)

CD 1

1. Yours Is No Disgrace
2. Time And A Word
3. Homeworld (The Ladder)
4. Perpetual Change
5. Lightning Strikes
6. The Messenger
7. Ritual – Nous Sommes Du Soleil
8. And You And I: Cord of Life / Eclipse / The Preacher The Teacher / Apocalypse

CD 1

CD 2

1. It Will Be A Good Day (The River)
2. Face To Face
3. Awaken
4. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
5. Cinema
6. Owner Of A Lonely Heart
7. Roundabout

CD 2

Keystudio (2001)

1. Foot Prints
2. Be The One: The One / Humankind / Skates
3. Mind Drive
4. Bring Me To The Power
5. Sign Language
6. That, That Is: Togetherness / Crossfire / The Giving Things / That Is / All In
7. Children Of Light: Lightning / Children Of Light / Lifeline

Magnification (2001)

1. Magnification
2. Spirit Of Survival
3. Don’t Go
4. Give Love Each Day
5. Can You Imagine
6. We Agree
7. Soft As A Dove
8. Dreamtime
9. In The Presence Of: Deeper / Death Of Ego / True Beginner / Turn Around And Remember
10. Time Is Time (A Tribute To George Harrison)

In A Word: Yes (1969-2002)

CD 1

1. Every Little Thing
2. Sweetness
3. Survival
4. Then
5. Sweet Dreams
6. Astral Traveller
7. Time And A Word
8. Dear Father
9. Yours Is No Disgrace
10. Clap
11. Perpetual Change
12. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
13. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People

CD 1

CD 2

1. Roundabout
2. South Side Of The Sky
3. Heart Of The Sunrise
4. America
5. Close To The Edge: The Solid Time Of Change / Total Mass Retain / I Get Up I Get Down / Seasons Of Man
6. The Revealing Science Of God (Dance Of The Dawn)

CD 2

CD 3

1. Siberian Khatru
2. Long Distance Runaround
3. The Gates Of Delirium
4. To Be Over
5. Going For The One
6. Turn Of The Century
7. Wonderous Stories
8. Don’t Kill The Whale
9. Release, Release
10. Arriving UFO
11. Richard

CD 3

CD 4

1. Tango
2. Never Done Before
3. Crossfire
4. Machine Messiah
5. Tempus Fugit
6. Owner Of A Lonely Heart
7. It Can Happen
8. Leave It
9. Hold On
10. Rhythm Of Love
11. Love Will Find A Way
12. Holy Lamb (Song For Harmonic Convergence)
13. Brother Of Mine: The Big Dream / Nothing Can Come between Us / Long Lost Brother Of Mine
14. Fist Of Fire
15. I Would Have Waited Forever

CD 4

CD 5

1. Lift Me Up
2. The Calling
3.I Am Waiting
4. Mind Drive
5. Open Your Eyes
6. Universal Garden
7. Homeworld (The Ladder)
8. The Messenger
9. Last Train
10. In The Presence Of: Deeper / Death Of Ego / True Beginner / Turn Around And Remember

CD 5

The Ultimate Yes: 35th Anniversary Collection (2003)

Versão Americana / American version

CD 1

1. Time And A Word
2. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
3. Yours Is No Disgrace
4. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
5. Roundabout
6. Long Distance Runaround
7. Heart Of The Sunrise
8. South Side Of The Sky
9. And You And I: Cord Of Life / Eclipse / The Preacher The Teacher / Apocalypse
10. America (Single Edit)
11. Wonderous Stories

CD 1

CD 2

1. Siberian Khatru
2. Soon (New Edit)
3. Going For The One
4. Don’t Kill The Whale
5. Tempus Fugit
6. Owner Of A Lonely Heart
7. Leave It
8. It Can Happen (Single Edit)
9. Rhythm Of Love
10. Big Generator (Remix)
11. Lift Me Up
12. The Calling (Single Edit)
13. Open Your Eyes
14. Homeworld (The Ladder) (Radio Edit)
15. Magnification

CD 2

CD 3

1. Roundabout (Acoustic)
2. Show Me
3. South Side Of The Sky (Acoustic)
4. Australia (Solo Acoustic)
5. New World Symphony

Versão Inglesa / English Version

CD 1

1. Yours Is No Disgrace
2. Survival
3. Roundabout
4. Then
5. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
6. Heart Of The Sunrise
7. Starship Trooper: Life Seeker / Disillusion / Würm
8. Ritual – Nous Sommes Du Soleil

CD 1

CD 2

1. Siberian Khatru
2. Long Distance Runaround
3. Wonderous Stories
4. And You And I: Cord Of Life / Eclipse / The Preacher The Teacher / Apocalypse
5. Going For The One
6. Dont Kill The Whale
7. Owner Of A Lonely Heart
8. Leave It
9. Awaken

CD 2

Estival Jazz Lugano (2004)

CD 1

1. Firebird Suite
2. Going For The One
3. Sweet Dreams
4. I’ve Seen All Good People
5. Mind Drive Part One
6. South Side Of The Sky
7. Foot Prints
8. Mind Drive Part Two
9. Yours Is No Disgrace
10. Second Initial (Steve Howe Solo)
11. Jane Seymour (Rick Wakeman Solo)

CD 1

CD 2

1. Long Distance Runaround
2. The Fish (Schindleria Praematurus)
3. Whitefish
4. Owner Of A Lonely Heart
5. Rhythm Of Love
6. And You And I
7. Starship Trooper
8. Roundabout

CD 2

The Word Is Live (2005)

CD 1

1. Then (BBC 1970)
2. For Everyone (BBC 1970)
3. Astral Traveller (Gothenburg 1971)
4. Everydays (Gothenburg 1971)
5. Yours Is No Disgrace (London 1971)
6. I’ve Seen All Good People (London 1971)
7. America (London 1971)
8. It’s Love (London 1971)

CD 1

CD 2

1. Apocalypse (Cobo Hall, Detroit 17 Aug 76)
2. Siberian (Khatru Cobo Hall, Detroit 17 Aug 76)
3. Sound Chaser (Cobo Hall, Detroit 17 Aug 76)
4. Sweet Dreams (QPR Football Ground, London 10 May 75)
5. Future Times – Rejoice (Oakland Coliseum, Ca 8 Oct 78)
6. Circus Of Heaven (Forum, Inglewood, Ca 5 Oct 78)
7. The Big Medley: Time and a Word / Long Distance Runaround / Survival / The Fish / Perpetual Change / Battle (coda) / Soon (Forum, Inglewood, Ca 5 Oct 78)
8. Hello Chicago (Chicago Int Amphitheatre, 9 Jun 79)
9. Roundabout (Chicago Int Amphitheatre, 10 Jun 79)

CD 2

Cd 3

1. Heart Of The Sunrise (Oakland 1978)
2. Awaken (Chicago 1979)
3. Go Through This (New York 1980)
4. We Can Fly From Here (New York 1980)
5. Tempus Fugit (New York 1980)
6. Rhythm Of Love (Houston 1988)
7. Hold On (Houston 1988)
8. Shoot High, Aim Low (Houston 1988)
9. Make It Easy / Owner Of A Lonely Heart (Houston 1988)

CD 3

Live At Montreux 2003 (2007)

CD 1

1. Siberian Khatru
2. Magnification
3. Don’t Kill The Whale
4. In The Presence Of: Deeper / Death of Ego / True Beginner / Turn Around And Remember
5. We Have Heaven
6. South Side Of The Sky
7. And You And I: Cord of Life / Eclipse / The Preacher The Teacher / Apocalypse
8. To Be Over
9. Clap

CD 1

CD 2

1. Show Me
2. Rick Wakeman Solo: Catherine Of Aragon / Celtic Jig / Jane Seymour
3. Heart Of The Sunrise
4. Long Distance Runaround
5. The Fish (Schindleria Praematurus)
6. Awaken
7. I’ve Seen All Good People: Your Move / All Good People
8. Roundabout

CD 2

U.K. – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 18/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

UK foi um supergrupo inglês de curta duração ativo durante o final da década de 1970.

Em setembro de 1976, o cantor e baixista John Wetton e o baterista Bill Bruford reuniram-se com o tecladista do Yes Rick Wakeman, um projeto da gravadora de Wakeman. Determinados a trabalharem juntos, Bruford e Wetton pediram para o guitarrista Robert Fripp para reformular o King Crimson, banda que Fripp deixou em dois anos antes. Quando Fripp recusou a proposta, Bruford e Wetton decidiram que cada um traria um músico de escolha própria para formar a banda.

Wetton trouxe o tecladista e violinista Eddie Jobson, de já conhecia de seu trabalho no Roxy Music em 1976. Já Bruford recrutou o guitarrista Allan Holdsworth (anteriormente do Soft Machine e do Gong).

O UK lançou um álbum debut homônimo em 1978, chamando a atenção dos fãs do rock progressivo e do jazz fusion.

Integrantes

John Wetton
Bill Bruford
Eddie Jobson
Allan Holdsworth
Terry Bozzio

Texto: Wikipedia

DISCOS

U.K. (1978)

1. In The Dead Of Night
2. By The Light Of Day
3. Presto Vivace And Reprise
4. Thirty Years
5. Alaska
6. Time To Kill
7. Nevermore
8. Mental Medication

Parte 1

Parte 2

Danger Money (1979)

1. Danger Money
2. Rendezvous 6 02
3. The Only Thing She Needs
4. Caesar’s Palace Blues
5. Nothing To Lose
6. Carrying No Cross

Night After Night - Live! (1979)

1. Night After Night
2. Rendezvous
3. Nothing To Lose
4. As Long As You Want Me Here
5. Alaska
6. Time To Kill
7. Presto Vivace
8. In The Dead Of Night
9. Caesar’s Palace Blues

Concert Classics Vol. 4 (1999)

1. Alaska
2. Time To Kill
3. The Only Thing She Needs
4. Carrying No Cross
5. Thirty Years
6. In The Dead Of Night
7. Caesar’s Palace Blues

Parte 1

Parte 2

Violeta de Outono – Discografia

Posted in Classic Rockflash on 17/08/2010 by classicrockflash

BIOGRAFIA

Violeta de Outono é uma banda de rock brasileira, que surgiu na cidade de São Paulo, em meados de março de 1984. Suas músicas tem em sua essência o rock progressivo psicodélico e o som psicodélico.

Início

Em 1981, após o termino das atividades de sua primeira banda (Lux), o vocalista Fábio Golfetti conhece o baterista Claudio Souza, e juntos, participam da primeira formação da banda carioca Zero, ficando somente até gravar um dos primeiros singles da banda.

Após sairem do Zero, Fábio Golfetti e Claudio Souza se juntam ao baixista e fotógrafo Angelo Pastorello, e formam em 1984 a banda Violeta de Outono.

Primeiras Gravações

Em 1986, com os primeiros shows, a banda começa a ter um público cativo, e acaba sendo convidada pela loja de discos Wop-Bop para lançar um EP com apenas três músicas, dentre elas Outono, uma das músicas mais conhecidas da banda.

Após o bom resultado do lançamento do EP, a banda assina com a gravadora RCA (hoje BMG), que lança em 1987 pelo selo Plug, o primeiro LP, batizado de “Violeta de Outono”, que além de Outono, continha músicas como Declínio de Maio, Dia Eterno e o cover de Tomorrow Never Knows dos Beatles.

Já em 1989 é lançado o segundo LP, intitulado “Em Toda Parte”, que acaba não tendo o mesmo resultado do LP de estreia. Neste LP destaca-se a música-título do álbum.

Pós RCA / Surgimento do Invisible Opera of Tibet

Porém, com o fim do selo Plug da RCA, o Violeta de Outono acaba ficando sem gravadora, e neste período o vocalista Fábio Golfetti lança, através do produtor dos primeiros LPs da banda, um flexi-disc intitulado Numa Pessoa Só, sob o nome de Opera Invisível, um projeto o vocalista segue ao longo dos anos.

Durante o início dos anos 90, o Violeta de Outono faz alguns shows esporádicos com Claudio Fontes na bateria, no lugar de Claudio Souza que se afasta da banda. Neste mesmo período Fabio Golfetti resolveu abraçar de vez o projeto “Invisible Opera of Tibet”, conceito idealizado por Daevid Allen, do Gong, e que tinha como princípio a junção de uma visão em comum do universo e uma evolução espiritual, ligando músicos de vários pontos do planeta. Começou a aquecer o selo Invisível, que depois do single solo de Fabio, lançou (ao lado de Renato Mello e da cantora May East), o disco The Eternal Voice.

A partir desta data, o “Invisible Opera of Tibet” começou a tocar em pequenas casas de São Paulo, com a mesma formação do “Violeta de Outono”, porém com um som mais experimental e com um pequeno público.

A Volta

Nestes shows como “Invisible Opera of Tibet”, surge em 1994 a idéia de fazer um show como “Violeta de Outono”. O resultado foi a casa cheia.

Com isto, a banda inicia as gravações do novo álbum, que seria lançado somento de 1999, intitulado como “Mulher na Montanha”, porém sem Claudio e Angelo, que sairam da banda frustrados com a pouca receptividade comercial, e foram substituidos por Sandro Garcia (baixo) e Gregor Izidro (bateria).

Durante um ano e meio, a banda com a nova formação fez várias apresentações, fazendo resurgir os velhos fãs e criando novos. Neste período, a banda chegou a abrir shows para o Focus em São Paulo e tocou com o mutante Sérgio Dias no Rio ArtRock Festival. Neste mesmo período, Angelo Pastorello volta a banda.

Em 2004, Fábio Golfetti lança Early Years Complete, contendo 14 canções, passando por sobras de estúdios e versões ao vivo.

Em 2005 o grupo volta com novo álbum e com a formação inicial da banda, adicionada da presença do tecladista Fernando Cardoso. É o lançamento do CD Ilhas, contando ainda com Gregor, na bateria. Neste álbum a banda volta a viver seus grandes momentos, com músicas como Blues, Eclipse, Língua de Gato em Gelatina e Ecos.

Em 2007 a banda lança seu mais novo álbum, intitulado “Volume 7”, com o baixista Gabriel Costa no lugar de Angelo, que se afasta da banda. Neste álbum a banda se aproxima mais ainda do som progressivo, com forte presença dos teclados de Fernando Cardoso.

Formações

1984 a 1990
Claudio Souza/ bateria • Fabio Golfetti/ guitarra/ vocal • Angelo Pastorello/ baixo

1990 a 1992
Fabio Golfetti/ guitarra/ vocal • Angelo Pastorello/ baixo • Claudio Fontes/ bateria

1992 a 2000
Claudio Souza – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Angelo Pastorello – baixo

2000 a 2001
Gregor Izidro – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Sandro Garcia – baixo

2001 a 2003
Gregor Izidro – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Angelo Pastorello – baixo

2003 a 2005
Claudio Souza – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Angelo Pastorello – baixo

2005 a 2005
Claudio Souza – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Angelo Pastorello – baixo • Fernando Cardoso – teclados

a partir de 2005
Claudio Souza – bateria • Fabio Golfetti – guitarra e vocal • Gabriel Costa – baixo • Fernando Cardoso – teclados

Texto: Wikipedia

DISCOS

Memories (Demo) (1985)

1. Outono
2. Transe
3. Dia Eterno
4. Fim do Começo (Declínio de Maio)
5. Luz
6. Tomorrow Never Knows
7. Violeta ’67 (Reflexos da Noite)
8. Noturno
9. Autumn (Instrumental)
10. Heavy Man
11. Floating World
12. The Visitor
13. People
14. Time
15. Material
16. Transformation
17. Sundays

Violeta de Outono (EP - 1985)

1. Outono
2. Trópico
3. Reflexos da Noite

Reflexos da Noite (1986)

1. Outono
2. Trópico
3. Reflexos da Noite
4. Vênus
5. Em Toda Parte
6. Rinoceronte Na Montanha de Geléia
7. Em Toda Parte 2 (Reprise)
8. Outra Manhã
9. O Retorno
10. Aum
11. Numa Pessoa Só (Invisible Opera Co Of Tibet)

Violeta de Outono (1987)

1. Outono
2. Declínio de Maio
3. Faces
4. Luz
5. Retorno
6. Dia Eterno
7. Noturno Deserto
8. Sombras Flutuantes
9. Tomorrow Never Knows

Em Toda Parte (1989)

1. Rinoceronte Na Montanha de Geléia
2. Em Toda Parte
3. Vênus
4. Aqui e Agora
5. Outra Manhã
6. Ilhas
7. Terra distante
8. Dança
9. Lunática

Eclipse - Ao Vivo (1986)

1. Dia Eterno
2. Outono
3. Declínio de Maio
4. Outra Manhã
5. Sombras Flutuantes
6. Luz
7. Reflexos da Noite
8. Tomorrow Never Knows
9. Em Toda Parte
10. Interstellar Overdrive
11. Citadel
12. Blues For Findlay
13. Within You Without You

Violeta de Outono (1995)

1. Dia Eterno
2. Outono
3. Declínio de Maio
4. Noturno Deserto
5. Faces
6. Sombras Flutuantes
7. Tomorrow Never Knows
8. Luz
9. Retorno
10. Rinoceronte Na Montanha de Geléia
11. Em Toda Parte
12. Vênus
13. Outra Manhã
14. Ilhas
15. Aqui e Agora
16. Dança
17. Lunática

Mulher na Montanha (1999)

1. Mulher na Montanha
2. Lírio de Vidro
3. Outro Lado
4. Total Silêncio
5. Lágrimas do Dragão
6. Creme Gelado, Desculpe
7. Espelhos Planos
8. Duna
9. Flutuando
10. Sonho
11. Terra Distante
12. Ilusão
13. Trópico
14. Reflexos da Noite
15. Astronomy Dominé

The Early Years (1988)

1. Citadel
2. Interstellar Overdrive
3. Blues For Findlay
4. Within You, Without You
5. Echoes / No Quarter

Live At Rio Art Rock Festival '97 (2000)

1. Astronomy Dominé
2. Mulher Na Montanha
3. Outro Lado
4. Dia Eterno
5. Eclipse
6. Noturno Deserto
7. Faces
8. Sombras Flutuantes
9. Declínio de Maio
10. Tomorrow Never Knows
11. Em Toda Parte

Sessions - 2002/2003 EP (2003)

1. Mahavishnu
2. Supernova
3. Moon Princess

Ilhas (2005)

1. Línguas de Gato em Gelatina
2. Mahavishnu
3. Blues
4. Estrelas
5. Ecos
6. Eclipse
7. Azul
8. Supernova
9. Transe
10. Cartas
11. Júpiter
12. Dança
13. Moon Princess

Volume 7 (2007)

1. Além do Sol
2. Caravana
3. Broken Legs
4. Eyes Like Butterflies
5. Em Cada Instante
6. Pequenos Seres Errantes
7. Ponto de Transição
8. Fronteira